28 de jul de 2016

Instituto Ecofuturo anuncia o resultado do 6º Prêmio Ecofuturo de Bibliotecas

O Instituto Ecofuturo, Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) que tem a Suzano Papel e Celulose como mantenedora, anuncia os vencedores da 6ª edição do Prêmio Ecofuturo de Bibliotecas, iniciativa que visa reconhecer o trabalho de promoção de leitura literária realizado nas 107 bibliotecas comunitárias da Rede Ler É Preciso, implantadas pelo Instituto em parceria com a iniciativa privada, poder público e comunidade.
Para Paulo Groke, Diretor de Sustentabilidade do Ecofuturo, o prêmio é também uma forma de compartilhar boas práticas que incentivam e inspiram a leitura no País. “A cada edição, é possível identificar uma melhora considerável na qualidade e na periodicidade das atividades promovidas”, conclui.  
Os projetos vencedores foram selecionados por um júri formado pela equipe do Ecofuturo e especialistas nas áreas de educação, leitura e biblioteconomia que, entre outros critérios, analisaram o planejamento de atividades de promoção de leitura e sua execução ao longo de todo o ano, acervo selecionado, articulação e atendimento a diversos públicos.  
Os três primeiros colocados ganham 50 livros de literatura novos para complementar o acervo da unidade e dois representantes de cada biblioteca vencedora participarão da 24ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, evento que possibilitará, por meio de sua programação, atualização profissional e troca de conhecimento. Todas as Bibliotecas Comunitárias participantes recebem certificados com suas respectivas classificações.

O Prêmio Ecofuturo de Bibliotecas foi criado pelo Instituto Ecofuturo em 2009. A próxima edição acontece em 2017 e as inscrições são restritas à Rede Bibliotecas Comunitárias Ler é Preciso. Além dessa iniciativa, o Instituto é responsável por outras ações importantes na área, como a instituição de 12 de outubro como Dia Nacional da Leitura e a campanha Eu Quero Minha Biblioteca.

Vencedores
Biblioteca Prof. Maria Olivia Otero Artioli, localizada em Agudos, São Paulo, conquistou o primeiro lugar com o projeto“É preciso gostar de ler”, no qual realizou atividades de promoção de leitura literária durante todo o ano de 2015. O planejamento anual compreendeu ações envolvendo público diverso, de bebês a idosos. Foram iniciativas promovidas dentro e fora da biblioteca, como a “Mala Viajante” que levava leitura a escolas e creches, e que tiveram o livro, a leitura e o leitor como atores principais.
Já em Magé, no Rio de Janeiro, a Biblioteca Prof. Elzira Bastos Amaro, em parceria com o departamento pedagógico da Secretaria de Educação, ficou com a segunda colocação com o projeto “Os contos que eles contam e os que nós contamos: rompendo com histórias únicas”. Além de ações de promoção de leitura, com forte embasamento teórico e técnico, realizadas semanalmente, todo o espaço da unidade foi reorganizado, incluindo catalogação das obras e separação dos livros que seriam trabalhados nas atividades, que tiveram como foco o resgate da identidade local, utilizando a cultura do município como tema principal.
A terceira colocada foi a Biblioteca Mestra Augusta, de Turmalina, Minas Gerais, que focou seu projeto “De mão em mão, de voz em voz, livros à mão cheia, sempre”, já realizado há quatro anos, em atividades de promoção de leitura que relataram a diferença entre ler e contar, trabalhando a articulação com públicos variados e a divulgação em diversos canais de comunicação do município – demonstrando a sustentabilidade do projeto e a importância do envolvimento do poder público.
Outro destaque desta edição foi a Biblioteca Comunitária Ler é Preciso Nelson Mandela, que está localizada na Penitenciária II de Bauru, em São Paulo, e que com o projeto “Um conto como eu conto” recebeu a Menção Honrosa. O objetivo das atividades foi utilizar o conto como gênero literário para contemplar as possibilidades de leitura dos detentos que frequentam a escola dentro da penitenciária. A partir das ações de promoção de leitura, os professores disseminaram a literatura como fonte de conhecimento e reflexão. 

Sobre o Instituto Ecofuturo
O Instituto Ecofuturo é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), instituída e mantida pela Suzano Papel e Celulose. O Ecofuturo acredita que é a partir da integração do homem com a natureza, do entendimento de sua relação com o todo, que a intenção se transforma em ação para mudar o presente e o futuro para melhor. Desde 1999, atua como articulador entre a sociedade civil, o poder público e o setor privado, buscando contribuir para a expansão da consciência socioambiental por meio do compartilhamento de saberes, práticas de cuidado e mensuração de impactos. Mantém projetos que contribuem para o fortalecimento das práticas de leitura e escrita e pela conservação do meio ambiente. Para mais informações, visite www.ecofuturo.org.br.

Sobre o projeto Biblioteca Comunitária Ler é Preciso
A aquisição de competências de leitura e escrita são a base para a educação de qualidade e desenvolvimento da consciência crítica. Com esta visão, o projeto tem como objetivo contribuir para a implantação e qualificação de política pública de leitura e de biblioteca, para a democratização do acesso ao livro e efetivação da lei 12.244/10, que determina que até 2020 todas as instituições de ensino do país, públicas e privadas, deverão ter bibliotecas. Em parceria com o poder público, iniciativa privada e comunidade local, o Ecofuturo trabalha na implantação de bibliotecas em escolas públicas, abertas à comunidade, e no incentivo à promoção de leitura.  Alguns destaques:
·         107 bibliotecas implantadas em 12 estados.
·         Média de 500 atendimentos por mês em cada unidade.
·         4 mil pessoas formadas nos cursos de Auxiliar de Biblioteca e Promotor de Leitura.
·         Realização de oficinas de gestão e sustentabilidade com representantes do poder público.



 

Sandra Camillo
Editora Chefe
https://www.facebook.com/sandra.camillo

Nenhum comentário: