24 de nov de 2015

Cantor Luciano passa por cirurgia de implante capilar em São Paulo

                  


Cantor Luciano já com uma parte da cabeça raspada indo para o centro cirurgico ao lado de sua médica Maria Angélica Muricy
O sertanejo Luciano, irmão de Zezé, não esconde sua vaidade. Ele acaba de recorrer a um transplante capilar. O cantor, de 42 anos, passou pelo procedimento nesta segunda (23), na Clínica Muricy, no bairro de Pinheiros em São Paulo.
O cantor recorreu a uma nova técnica, a FUE (Follicular Unit Extraction ou Extração de Unidades Foliculares, em português). Nessa, os folículos são retirados um a um e implantados na parte calva. Com isso, não fica uma cicatriz linear.
"Quero ver meu cabelo voar como o vento" diz Luciano 
Para fazer o transplante, são usados os folículos da parte posterior da cabeça. "Ela é a doadora. Por mais careca que a pessoa fique, essa parte ela nunca perde. É uma área que não sofre a ação desse hormônio porque, ainda na gestação, a célula que dá origem a essa região é diferente da responsável pelo restante da cabeça", explica a dermatologista Angélica Muricy Sanseverino.
O procedimento feito por Luciano durou médio 8 horas e é feito com anestesia local. No caso do cantor, foram retirados 3.100 unidades foliculares o que corresponde a 7 mil fios de cabelos. Um cirurgia demorada e delicada, mas não deixa marcas. É uma agulha específica que não causa traumas na raiz.
"A cirurgia do Luciano foi muito bem, conseguimos realizar a mega sessão como planejado, transplantando 3.100 unidades foliculares o que corresponde a 7 mil fios de cabelos em 8 horas de cirurgia. Concentramos mais nas entradas e na coroa" diz dermatologista Maria Angélica Muricy, que também fez a cirurgia de transplante capilar  no ator Marcos Pasquim.  
O furo que é feito na cabeça tem 0,8 milímetros de diâmetro. Essa bolinha, quando fecha, não deixa uma cicatriz visível a olho nu. Quando tirado os folículos de forma aleatória, espalhada. Não pode tirar um do lado do outro poque assim formaria uma cicatriz linear. E tiramos os
O pós-operatório é tranquilo, mas requer cuidados. Os pacientes não precisam usar chapéu ou faixa na cabeça.
"Pedimos três dias de repouso para que os folículos transplantados se fixem dentro do couro cabeludo. Se você passar a mão ou uma toalha, tira tudo",  diz Dra Muricy.
'Calvície não é a queda da raiz', diz médica
Segundo a médica, a calvície é causada por fatores hereditários e por uma sensibilidade que permite a entrada de um hormônio na célula do cabelo. Com o tempo, ele a destroi. Nisso, o folículo vai atrofiando e, o cabelo, afinando, até ficar careca. "Calvície não é a queda da raiz", explica.
Para fazer o transplante, são usados os folículos da parte posterior da cabeça. "Ela é a doadora. Por mais careca que a pessoa fique, essa parte, ela nunca perde. É uma área que não sofre a ação desse hormônio porque, ainda na gestação, a célula que dá origem a essa região é diferente da responsável pelo restante da cabeça".
"Você leva a raiz para a parte calva, com a memória da parte de trás. Uma vez transplantado, é definitivo", conta a especialista, alertando que, retirado o folículo, ele não cresce na parte de trás novamente. "É um transplante. Essa região fica menos densa, mas a proporção de fios que você tira não chega a devastá-la".


Sobre a médica:

Dra. Maria Angélica Muricy Sanseverino
Integra o quadro da Clínica Muricy, a Médica Maria Angélica Muricy Sanseverino ( CRM –PR 14787 e CRM –SP 111245 ), que lidera a Unidade da Capital Paulista.
Formada desde o ano de 1994, realizou ao longo dos anos desde a Residência Médica e Especialização em Dermatologia (RQE 13772 CRMPR) e diversos Cursos de Pós-Graduação, escreveu artigos e capítulos para livros. Fixou residência fora do país onde foi aperfeiçoar sua técnica na Argentina, nos USA e na Europa. Durante sua formação atuou em mais de 4000 cirurgias de calvície.
Com vida Institucional e Acadêmica intensa, participa das seguintes entidades: Membro da Associação Brasileira de Cirurgia de Restauração Capilar ( ABCRC), diretora gestão 2009-2010, Membro Titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD) e Membro da International Society of Hair Restoration Surgery (ISHRS).
Professora de diversos Cursos no Brasil e no Exterior, tendo participado desde o ano 1995 da maioria dos Congressos da International Society of Hair Restoration Surgery , onde por diversas vezes proferiu palestras, vem protagonizando com excelência as técnicas das mega e giga sessões de transplante capilar,Seus resultados tem inspirado a indicação perene, não só dos pacientes, mas inclusive dos próprios colegas médicos.

Há 2 anos, Dra Maria Angélica Muricy vem realizando a cirurgia de mega sessão de transplante capilar, com a técnica de FUE, em mais de 90% dos pacientes com resultados extremamente satisfatórios.

Nenhum comentário: