13 de jun de 2015

JÁ CONSIDERADA UM “INSTRUMENTO MÉDICO”, IMPRESSÃO 3D AJUDA NA SEPARAÇÃO DE GÊMEAS SIAMESAS NA CHINA

Tecnologia é vista como grande aliada dos cirurgiões, pois permite que uma operação seja planejada e minimiza as chances de erro
 A separação de gêmeos xifópagos, ou siameses como são popularmente conhecidos, é considerada um verdadeiro milagre da medicina e, embora já tenha ocorrido algumas vezes ao longo dos últimos anos, sempre chama muita atenção de qualquer um. O que pouca gente sabe, porém, é que a impressão 3D, uma tecnologia cada vez mais evoluída, pode facilitar – e muito - o longo processo de preparação da cirurgia.

O uso do planejamento virtual em cirurgias vem crescendo a cada dia e mudando a maneira como esses procedimentos são realizados, com resultado e tempo de recuperação extremamente melhores. Nesta semana, um novo caso de sucesso ocorreu na China: médicos utilizaram a impressão 3D para separar duas gêmeas siamesas, nascidas há três meses, que estavam unidas pelo quadril e compartilhavam a parte inferior da coluna vertebral e o canal anal. Extremamente complicada, a cirurgia foi testada anteriormente em modelos impressos, fato que ajudou a esclarecer quais os riscos da separação e, consequentemente, a dar uma vida normal às irmãs após a recuperação.

Há 11 anos, impressão 3D contribuía para a separação de siameses nos EUA

Maior player mundial do segmento de impressão tridimensional, a 3D Systems já viu seus equipamentos, que contêm a mais avançada tecnologia SLA, serem utilizados milhares de vezes em situações como a ocorrida na China, produzindo milhões de dispositivos médicos. Para falar sobre um desses cases se sucesso, vamos voltar 13 anos no tempo, mais precisamente ao dia 21 de abril de 2002. Este foi o dia em que os gêmeos filipinos Carl e Clarence Aguirre nasceram, unidos pelo topo da cabeça, incapazes de sentar-se, ficar em linha reta, comer normalmente e mesmo de ver um ao outro. Com uma expectativa de seis a oito meses de vida, a única esperança dada pelos médicos estava em uma cirurgia de separação, que tinha como principal complicador o fato de os bebês estarem ligados não apenas pelo crânio, mas por conexões cerebrais.

É aí que a impressão tridimensional entra na história. Consciente de todos os riscos para evitá-los, a equipe do Hospital Infantil de Montefiore, em Nova York, realizou uma longa pesquisa para preparar a cirurgia, o que incluía a criação de modelos impressos em 3D. Produzidos pela impressora SLA 250, da companhia norte-americana 3D Systems, esses modelos tinham o tamanho real da cabeça dos gêmeos e permitiram o estudo sobre a estrutura óssea, inclusive com representações de cor seletiva dos vasos sanguíneos, e potenciais complicações anatômicas.

“Como tinham que planejar cuidadosamente a melhor forma de separar os vasos sanguíneos vitais do cérebro, usados por ambos os gêmeos, os médicos consideravam as peças anatômicos impressas em 3D uma parte fundamental no planejamento cirúrgico”, recorda o Vice-presidente de Cirurgias Personalizadas e Dispositivos Médicos da 3D Systems, Andy Christensen.

Depois de meses de preparação, a cirurgia foi realizada no dia 4 de agosto de 2004 e, muito bem-sucedida, garantiu a sobrevivência aos gêmeos Aguirre. Hoje, eles vivem com algumas limitações, porém com muitos motivos para celebrar dois aniversários por ano: no dia em que nasceram e no dia em que começaram a viver suas vidas separadamente.

“Dez anos atrás, a impressora mais utilizada na medicina era a SLA 250, muito avançada para a época, mas que já ficou obsoleta por conta do avanço natural da tecnologia. Hoje, temos impressoras muito mais modernas, capazes de oferecer um resultado muito mais preciso e eficiente, como a Projet® 6000, a Projet® 7000, a ProX™ 800 e a ProX™950. Até o fim do ano, um novo modelo, a ProX™ 950, deve chegar ao mercado”, explica o Diretor Geral da 3D Systems Latin America, Luiz Fernando Dompieri.

Sobre a 3D Systems Latin America
Maior player mundial em soluções para impressão tridimensional, a norte-americana 3D Systems adquiriu em 2014 a Robtec, líder em vendas na América Latina, e criou então a 3D Systems Latin America, com o objetivo de acelerar a disseminação da tecnologia. Com impressoras, materiais de impressão e produtos customizados sob demanda para profissionais e consumidores em materiais como plástico, metal, cerâmica e comestível, a companhia também desenvolve soluções baseadas em digitalização 3D, modelagem de maneira livre e ferramentas de inspeção. Seus produtos e serviços são usados para projetar, desenhar, criar, comunicar, gerar protótipos e produzir peças funcionais e montagens, capacitando consumidores a “fabricar o futuro”.


Nenhum comentário: