26 de mai de 2015

Simões de Assis Galeria de Arte abre dia 18 de junho exposição sobre “Geração 80: Ousadia & Afirmação”, com curadoria de Marcus Lontra

Simões de Assis Galeria de Arte abre dia 18 de junho exposição sobre “Geração 80: Ousadia & Afirmação”, com curadoria de Marcus Lontra
 
Artistas de uma geração cuja marca foi a busca da associação do pensar com o fazer serão apresentados na mostra, que traz obras de Beatriz Milhazes, Barrão, Cristina Canale, Daniel Senise, Delson Uchôa, Gonçalo Ivo, Jorge Guinle, Leda Catunda, Leonilson e Luiz Zerbini. A exposição segue na galeria curitibana até 1º de agosto
 
Era julho de 1984 e 123 artistas de várias partes do país se reuniriam num grandesite-specific no prédio do Parque Lage, no Rio de Janeiro. A abertura da exposição foi uma festa que reuniu toda uma geração crescida à sombra de 20 anos de ditadura militar. Na mostra, diversas propostas reunidas pela jovem curadoria de Marcus Lontra, Paulo Roberto Leal e Sandra Mager tendo, como um de seus nortes, a importância da imagem. Ali, havia um encontro de artistas que buscavam um caminho entre o conceito e a artesania, com trabalhos pensados e construídos por eles próprios dentro de seus ateliês. Intitulada “Como Vai Você, Geração 80?”, a mostra completou 30 anos em 2014 e é, a partir do dia 18 de junho, revisitada por meio de seus principais nomes, com curadoria novamente de Marcus Lontra. A mostra “Geração 80: Ousadia & Afirmação”,  segue até 1º de agosto na Simões de Assis Galeria de Arte, em Curitiba.

Em vez de trazer trabalhos da época da exposição histórica desses artistas, Lontra empreende uma visita à produção mais recente desses que são nomes integrantes da história da arte brasileira. “A mostra reúne obras de décadas variadas e funciona como um caleidoscópio: imagens que se sobrepõem, se movimentam e se alternam na construção de um conjunto íntegro e orgulhoso”, diz o curador.

Boa parte deles pintores – a geração foi apontada pela crítica como responsável por trazer a pintura à evidência novamente -, eles apresentam propostas tão distintas quanto como Beatriz Milhazes, Cristina Canale, Daniel Senise, Delson Uchôa, Gonçalo Ivo e Jorge Guinle (falecido em 2004). Há ainda escultores, como Barrão, e artistas que trabalham diversos meios – arquivos pessoais, bibliotecas íntimas, diários de viagem - como Leonilson (falecido em 1993), Leda Catunda e Luiz Zerbini. “Esses artistas são fundamentais em qualquer publicação sobre a história da arte brasileira”, diz Lontra.

Sua produção ao longo das últimas três décadas é revista, apresentando propostas e pesquisas que foram se consolidando e trazendo novas identidades, ousadas e vigorosas, como o próprio nome da exposição aponta. Lontra, que curou a exposição hoje histórica, lembra que a Geração 80 rompeu com a ideia de vocação construtivista brasileira, permitindo que os artistas se expressassem dentro de suas vocações com liberdade.

A geração 80 foi um momento decisivo na história da arte brasileira. Nele, a arte do país se afirmou internacionalmente e propôs um novo recorte à produção dos artistas, voltada para a figuração e uma alma barroca. Seus integrantes, vindos de diversos lugares do país (como Uchôa, alagoano) trabalhavam entre o conceito e a artesania e priorizavam “a valorização do fazer como instrumento provocativo do pensar”, diz Lontra. A força do artista vinha não mais da primazia do conceito, mas de uma ação integrada entre agir e pensar, que garantia força e vigor a essa produção, que pode ser conferida em um recorte especial, com seus principais nomes.

Serviço:
Geração 80: Ousadia e Afirmação

curadoria: Marcus Lontra
Abertura: 18 de junho, quinta-feira, 19h
Exposição: 19 de junho a 1º de agosto de 1015
Simões de Assis Galeria de Arte
Endereço: Alameda Dom Pedro II, 155 - Batel, Curitiba – PR
Tel.: (41) 3232-2315
Horário: Seg. a sex.: 10h às 19h, Sab.: 10h às 17h.

 
Quatro Sóis, Leda Catunda 
Pomar, Gonçalo Ivo 
Sobre a Simões de Assis

A Simões de Assis Galeria de Arte, fundada em Curitiba em 1984 pelo arquiteto Waldir Simões de Assis Filho, é voltada para a arte moderna e contemporânea.

Além de exposições realizadas em seus espaços, a galeria desenvolve projetos em parceria com museus, colaborando na organização e curadoria de mostras dos artistas representados. Participa das principais feiras de arte brasileiras e dentre suas atividades publica livros e catálogos de arte, através de sua própria editora.

Em 2002, sob sua curadoria e coordenação publicou o livro "Cícero Dias, Uma Vida pela Pintura", reunindo obras realizadas pelo destacado pintor brasileiro ao longo de oito décadas de produção. Em 2006, sob sua organização e curadoria fez a exposição Cícero Dias - Oito Décadas de Pintura, no Museu Oscar Niemeyer em Curitiba. Considerada a maior mostra já realizada sobre o artista, reuniu 200 obras oriundas de museus e coleções nacionais e internacionais, todas reproduzidas em um livro editado na ocasião.

Abraham Palatnik, Alfredo Volpi, Ângelo Venosa, Arcângelo Ianelli, Ascânio MMM, Bernard Frize, Carmelo Arden Quin, Célia Euvaldo, Cícero Dias, Eduardo Sued, Hercules Barsotti, Elizabeth Jobim, Geraldo de Barros, Gonçalo Ivo, Iole de Freitas, José Bechara, Jaildo Marinho, Manfredo de Souzanetto, Marcos Coelho Benjamim, Siron Franco e Tomie Ohtake são alguns dos artistas que a galeria expôs ao longo de sua trajetória, mantendo obras de muitos deles em seu acervo.

Ao lado dos vários artistas contemporâneos representados, a galeria representa com exclusividade no Brasil a obra do modernista Cícero Dias (1907 – 2003) e do mestre uruguaio Carmelo Arden Quin (1913-2010) fundador do grupo Madi. Ambos viveram a maior parte de suas vidas em Paris, onde participaram ativamente do seu meio artístico e cultural.


Informações à imprensa:
Agência Guanabara – 11. 3062-6399
Laila Abou –laila@agenciaguanabara.com.br  ramal.217
Diego Sierra -diego@agenciaguanabara.com.br

Nenhum comentário: