8 de dez de 2014

DOIS FILMES PREMIADOS E INÉDITOS EM PRÉ-ESTREIA NO FESTIVAL DE DIREITOS HUMANOS





* “Branco Sai. Preto Fica”, filme realizado em Ceilândia (DF), recebeu 11 prêmios no Festival de Brasília

* o longa-metragem mineiro “A Vizinhança do Tigre” mereceu premiações em seis festivais de cinema

* sessão de “Branco Sai. Preto Fica” acontece sexta-feira, 12/12, às 20h00, no Parque do Ibirapuera

* “A Vizinhança do Tigre” ganha exibição no sábado, 13/12, às 11h00, no Espaço Itaú de Cinema – Frei Caneca (SP)

* programação gratuíta do projeto Cine Direitos Humanos integra o Festival de Direitos Humanos “Cidadania nas Ruas 2014”, da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo



Grande vencedor do Festival de Brasília de 2014, onde acumulou 11 premiações, inclusive de melhor filme, o longa-metragem inédito no circuito comercial “Branco Sai. Preto Fica”(2014, 94 min) ganha pré-estreia ao ar livre no Parque do Ibirapuera.

A sessão – que acontece nesta sexta-feira, 12/12, às 20h00, com entrada franca – integra a programação especialmente preparada pelo projeto Cine Direitos Humanos para a segunda edição do Festival de Direitos Humamos “Cidadania nas Ruas 2014”, que acontece de 8 a 14 de dezembro em diversos pontos da Cidade de São Paulo. A iniciativa é da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo.

Outra pré-estreia agendada para o mesmo evento é o filme “A Vizinhança do Tigre”, do cineasta mineiro Affonso Uchoa. A obra focaliza os jovens Juninho (Aristides de Souza), Eldo (Eldo Rodrigues), Adilson (Adilson Cordeiro), Menor (Maurício Chagas) e Neguinho (Wederson Patrício), moradores da periferia de Contagem, na Grande Belo Horizonte, que vivem divididos entre o trabalho e a diversão, o crime e a esperança. Para sobreviver à luta de cada dia, eles terão que domar o tigre que mora dentro de si. O longa-metragem é atração do projeto Cine Direitos Humanos deste sábado, 13/12, em sessão gratuita que acontece às 11h00, no Espaço Itaú de Cinema – Frei Caneca (Rua Frei Caneca 569, Consolação, São Paulo). Após a projeção, o diretor Affonso Uchoa conversa com o público.

“A Vizinhança do Tigre” recebeu dupla premiação na Mostra de Tiradentes (melhor filme pelo júri oficial e prêmio da crítica), além de ser contemplado nos festivais Olhar de Cinema (Curitiba), Cachoeira Doc (Bahia), Fronteira (Goiânia), Semana dos Realizadores (Rio de Janeiro) e Frorumdoc.bh (Belo Horizonte).

Já “Branco Sai. Preto Fica”, do diretor Adirley Queirós, é uma mistura de documentário e ficção científica que tem como mote uma violenta ação policial durante um famoso baile black no Quarentão, em Ceilândia, periferia de Brasília. “Branco sai - preto fica” foi a ordem da polícia ao entrar no local no ano de 1986. Quase três décadas depois, Marquim do Tropa e Shockito relembram aquela noite. O primeiro está numa cadeira de rodas e o segundo usa uma perna mecânica. Os dois são reais e seus depoimentos, verdadeiros. De 2073 é que surge o elemento ficcional: Dimas Cravalanças (Dilmar Durães) vem do futuro para coletar provas contra o Estado brasileiro, responsável por atrocidades contra negros e pobres nas periferias. Além disso, ele deve tentar impedir que uma “bomba” seja jogada sobre o Plano Piloto. No enredo da obra existe uma espécie de mundo paralelo, que é Brasília. Para ir de Ceilândia para lá é preciso passaporte. E há uma tal de polícia do bem-estar social que controla tudo. Esse é o cenário que Dimas Cravalanças encontra ao chegar do futuro. Ele é o personagem que dá o tom cômico ao enredo. Sua máquina do tempo é um conteiner e não há nenhuma intenção de disfarçar isso. As camadas mais profundas de nosso inconsciente saliente nacional são aqui abertas com um corte transversal a revelar o que herdamos, e vamos deixar de herança, dessa terra em transe.

 

É bastante significativa a carreira de “Branco Sai. Preto Fica” em eventos audiovisuais: somente no Festival de Brasília, em setembro último, conquistou 11 láureas: melhor longa-metragem, melhor ator, melhor direção de arte, prêmio da crítica, prêmio São Saruê e, na competição de filmes brasilienses, melhor longa-metragem, ator, montagem, direção de arte, edição de som e captação de som. Foi eleito ainda o melhor filme latino-americano no Festival de Mar Del Plata (Argentina)melhor filme no Festival Internacional de Cinema da Fronteira (Bagé, RS), melhor filme brasileiro da mostra Outros Olhares, Festival Olhar de Cinema (Curitiba) e melhor roteiro e contribuição artística de som no Festival de Vitória. Recebeu também o prêmio especial do júri no Festival Olhar de Cinema (Curitiba) e menção honrosa na Mostra de Tiradentes.



sobre o 2º Festival de Direitos Humanos “Cidadania nas Ruas 2014”

Pelo segundo ano consecutivo, a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo realiza o Festival de Direitos Humanos "Cidadania nas Ruas 2014", que passa a fazer parte do calendário de festividades da cidade e acontece de 8 a 14 de dezembro, em diversos  pontos da capital paulista.

Na semana em que é celebrado o Dia Internacional dos Direitos Humanos (10/12), a capital paulista ganha de presente mais de 30 atividades entre debates, encontros e diálogos, cinema, passeios e performances, premiações, um monumento e um grande show no Parque Ibirapuera, tudo gratuito. São sete dias de programação com foco na diversidade, no respeito às diferenças e na ocupação dos espaços públicos como locais de promoção e vivência da cidadania, um momento para pensar e experimentar a cidade de forma acolhedora, inclusiva e tolerante.

A programação completa do Festival de Direitos Humanos "Cidadania nas Ruas 2014" pode ser acessada em http://goo.gl/MVl7fG.



sobre o projeto Cine Direitos Humanos

Com a proposta de exibir filmes brasileiros e internacionais cujo enredo dialogue com temas ligados aos direitos humanos em sessões gratuitas, o projeto Cine Direitos Humanos é uma iniciativa da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo, com apoio do Grupo Circuito Espaço de Cinema.

Com curadoria de Francisco Cesar Filho, o projeto promove projeções todos os sábados, às 11h00, no Espaço Itaú de Cinema – Frei Caneca. Inaugurado em setembro de 2013, Cine Direitos Humanos já apresentou em pré-estreia os longas inéditos “De Menor”, de Caru Alves de Souza; “Praia do Futuro”, de Karim Aïnouz; “
Militares da Democracia: Os Militares Que Disseram Não”, de Silvio Tendler; “Avanti Popolo”, de Michael Wahrmann, “Os Dias Com Ele”, de Maria Clara Escobar; “Nem Caroço Nem Casca – Uma História de Quilombolas”, de Will Martins; e “11:02 de 1945 – Retratos de Nagasaki”, de Roberto Fernández.

Outros filmes exibidos em 2013 foram “O Dia Que Durou 21 Anos” (Camilo Tavares), “Hoje” (Tata Amaral), “Olhe Pra Mim de Novo” (Cláudia Priscilla e Kiko Goifman), ”Flores Raras” (Bruno Barreto), “Estamira” (Marcos Prado), “Uma História de Amor e Fúria” (Luiz Bolognesi), “O Caso dos Irmãos Naves” (Luís Sérgio Person), “Sabotage - Nós” (Guilherme Xavier Ribeiro), “Entre A Luz e A Sombra” (Luciana Burlamaqui), “Raça” (Joel Zito Araújo e Megan Mylan), “O Aborto dos Outros” (Carla Gallo), “Tatuagem” (Hilton Lacerda), “Mataram Meu Irmão” (Cristiano Burlan), “Sobre Futebol e Barreiras” (Lucas Justiniano e José Menezes) e seleção de curtas-metragens do Festival Entretodos.

Em 2014 a programação apresentou “O Retorno” (Rodolfo Nanni), “Muito Além do Peso” (Estela Renner) “Verdade 12.528” (Paula Sacchetta e Peu Robles), “Esse Homem Vai Morrer” (Emílio Gallo), “Sentidos à Flor da Pele” e “À Margem da Imagem” (ambos de Evaldo Mocarzel), “Meu Amigo Cláudia” (Dácio Pinheiro), “O Outro Lado da Rua” (Marcos Bernstein), “Mulheres Africanas – A Rede Invisível” (Carlos Nascimbeni), “A Memória Que Me Contam” (Lúcia Murat), “Caparaó” e "Em Busca de Iara" (ambos de Flavio Frederico), “15 Filhos (Maria de Oliveira e Marta Nehring), “Ação Entre Amigos” (Beto Brant), "Travessia" (João Batista de Andrade), "Batismo de Sangue" (Helvécio Ratton), “Pro Dia Nascer Feliz” (João Jardim), “Pelo Malo” (Mariana Rondon), “Sonhos Roubados” (Sandra Werneck), “Ato dos Homens” (Kiko Goifman), “Hoje Eu Quero Voltar Sozinho” (Daniel Ribeiro), “Entre Vales” (Philippe Barcinski), “Do Lado de Fora” (Alexandre Carvalho), 
“Tarja Branca – A Revolução Que Faltava” (Cacau Rhoden), “Setenta” (Emília Silveira), “O Olhar Invisível” (Diego Lerman), “08:15 de 1945” (Roberto Fernández), “Cidade Cinza” (Marcelo Mesquita e Guilherme Valiengo), “O Invasor” (Beto Brant), “Yami no Ichinichi – O Crime que Abalou a Colônia Japonesa no Brasil” (Mario Jun Okuhara), "Os Anos JK – Uma Trajetória Política" (Silvio Tendler), “A Chave da Casa” (Stela Grisotti e Paschoal Samora), “Cortina de Fumaça” (Rodrigo Mac Niven), “Sem Pena” (Eugenio Puppo), “O Menino e o Mundo” (Alê Abreu), Infância Clandestina” (Benjamín Ávila), “O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias” (Cao Hamburger), “Retratos de Identificação” (Anita Leandro), "Ilegal" (Tarso Araújo e Raphael Erichsen), “São Paulo em Hi-Fi” (Lufe Steffen), “À Queima Roupa” (Theresa Jessouron), “Castanha” (Davi Pretto) e seleções de curtas-metragens do Dia do Orgulho LGBT e premiados no Festival MixBrasil de Cultura da Diversidade.




Serviço
Cine Direitos Humanos
Programação especial no 2º Festival de Direitos Humanos “Cidadania nas Ruas 2014”

exibição do filme “Branco Sai. Preto Fica” (2014, 94 min), de Adirley Queiros - classificação indicativa: livre
12 de dezembro de 2014, sexta-feira, às 20h00
Parque do Ibirapuera (Av Pedro Álvares Cabral, s/n, Portão 10, Ibirapuera, São Paulo)
entrada franca

exibição do filme “A Vizinhança do Tigre” (2014, 95 min), de Affonso Uchoa - classificação indicativa: 12 anos
13 de dezembro de 2014, sábado, às 11h00
Espaço Itaú de Cinema – Frei Caneca (Rua Frei Caneca 569, Consolação, São Paulo, tel 11-3472.2368)

Nenhum comentário: