12 de out de 2014

Professor ultrapassa a mãe como maior influenciador do hábito de ler do brasileiro

Pesquisa Retratos da Leitura no Brasil aponta a importância do estímulo em sala de aula e em casa
Dia Nacional da Leitura, Semana da Leitura e Literatura e ainda Dia do Professor. Outubro é um mês para fortalecer e reiterar a importância do Professor para o país. A terceira edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil - considerada o maior e mais elaborado estudo sobre o comportamento leitor do brasileiro - mostra o que e quem influencia no hábito de ler. Lançada pelo Instituto Pró-Livro (IPL), e realizada pelo Ibope Inteligência, a pesquisa divulgada em 2013 revelou algumas mudanças em relação à última edição, de 2007.
O papel do professor, que ascendeu ao topo da lista por sua grande importância na propagação do gosto pela leitura merece destaque. O posto de maior influenciador da leitura era, em 2007, ocupado pela mãe. Já, no último levantamento, 45% dos leitores apontaram o professor em primeiro lugar. Nessa disputa acirrada, a mãe ficou em segundo, com 43%, e o pai em terceiro, com 17%. "A pesquisa revelou de forma concreta a importância do professor na educação e na formação do comportamento leitor do brasileiro; hoje, mais do que nunca, é preciso que esse profissional seja valorizado como contribuinte para a disseminação da leitura no País", afirma Zoara Failla, coordenador da obra Retratos da Leitura no Brasil III.
A frequência com que os leitores e não-leitores - partindo do princípio de que leitor é aquele que leu um livro, inteiro ou em partes, nos últimos três meses -  viram os pais/responsáveis lendo também foi estudada. Entre os leitores, 22% alegaram que sempre viam a mãe lendo e 27% atestaram que viam de vez em quando; já entre os não-leitores, apenas 10% alegou que sempre via a responsável lendo.  Em relação aos pais, 13% dos leitores sempre os viram lendo, contra 7% dos não-leitores que alegaram o mesmo.
Ganhar livros também entra no circuito de influências: 88% dos leitores confirmam que terem sido presenteados com livros foi um grande estímulos para desenvolver o hábito de ler  e por prazer. A pesquisa mostra que 8% dos leitores sempre ganharam livros, 31% algumas vezes e 60% nunca ganharam. Entre os não leitores, 87% nunca ganharam um livro.
O estudo apontou ainda que, o índice de leitura ainda é baixo e há um árduo caminho para reverter esse quadro. O Pró-Livro tem como missão ajudar a transformar o Brasil em um país de leitores e, para isso, precisa mais do que nunca do apoio dos influenciadores apontados. Apesar do baixo índice, a pesquisa mostra o quanto o estímulo tem relevância na formação de novos leitores. "Além das políticas públicas, o exemplo deve começar de forma básica: em casa e na sala de aula", finaliza Zoara.

Serviço: www.prolivro.org.br

Nenhum comentário: