1 de out de 2014

Depois de anunciar seu plano estratégico e de conquistar a recertificação Sassmaq a IWEX Transportes está preparada para crescer

Imagem

Em entrevista, o Diretor Geral da IWEX, Wander Sinigaglia aborda as questões de atualidade, tanto do setor do qual a sua empresa é especializada como do segmento do Transporte de Carga em geral.
P -  As operações com produtos químicos respondem por que percentual do faturamento da empresa?
IWEX:  As operações com produtos químicos respondem por cerca de 68% do faturamento anual da IWEX.

P - Como o mercado de produtos químicos vem se comportando desde 2013, para a IWEX? Este ano de 2014 será de crescimento?
IWEX: O mercado tem oscilado bastante, principalmente na indústria química de base onde as matérias primas são parte da cadeia produtivas de outros bens de produção. Já no segmento da química fina, o mercado se manteve estável.
P - Quais são os tipos de produtos químicos que a empresa transporta?
IWEX: Transportamos matérias primas de uso primário na transformação de outros produtos químicos para as indústrias de tintas, química fina para áreas de higiene, cosmética, saúde, limpeza, alimentação e agricultura.
P - Como você avalia a atual condição logística do país para a movimentação desses produtos?
IWEX: Estamos potencialmente expostos aos riscos ambientais e falta de segurança decorrente da péssima infraestrutura viária no Brasil, além de uma complexidade da legislação que dificulta a operação em determinados Estados e Municípios. Paralelamente, sofremos também com uma concorrência não especializada que migra para nosso mercado, trazendo como referência, preços de outros mercados mais comoditizados, e que por desconhecerem a complexidade e os riscos envolvidos, rapidamente deixam de atuar nele, assim que se consumam prejuízos com os riscos que nós especialistas conhecemos bem.
P -  Quanto representam os custos com a segurança e com as licenças necessárias para o transporte deste tipo de carga?
IWEX: Anualmente consumimos cerca de 10% de nossa receita líquida para mantermos nosso sistema de Gestão de Segurança e Qualidade - SASSMAQ, que envolve treinamento e capacitação das equipes, plano de emergência e toda documentação e licenças inerentes ao setor
P -  As exigências impostas pelos embarcadores, para realizar o transporte, têm aumentado?
IWEX: sim, especialmente quanto à segurança (frota e capacitação das equipes), informação, performance operacional, e atendimento à legislação, de forma a minimizar possíveis impactos quanto à responsabilidade solidária do embarcador.
P -  As demandas de produtos importados (via porto) crescem mais que as de produtos nacionais?
IWEX: Não necessariamente, essa lógica vai depender muito de como o mercado se comporta e a indústria define a estratégia em razão dos custos entre a produção local e o importado. Alguns produtos de alta tecnologia são fabricados globalmente em fábricas na Ásia, e nem sempre tem muita escala de produção. Já as comoditties, essas sim continuam ocupando boa parte da estrutura portuária disponível no mercado.
P - Qual é a frota de caminhões da IWEX e idade média dos veículos.
IWEX: Na frota própria, contamos com 18 veículos com idade média de 3 anos e na frota agregada outros 18 com idade média de 6 anos.
P -  Que tipo de cuidado imprescindível a empresa tem nas operações de transporte (com mão de obra ou com equipamento)?
IWEX: Sem dúvida é com a mão de obra, e elevar o padrão de consciência, responsabilidade e comprometimento da equipe requer tempo. Por isso, investimos na formação da equipe e na remuneração acima do mercado para mantermos uma equipe altamente qualificada e capacitada.
P - Tempo de mercado e regiões de atuação.
IWEX: A IWEX atua há mais de 40 anos de mercado e atuamos no segmento do transporte rodoviário de produtos químicos embalados, atendendo cargas lotações para os principais polos do Sul, Sudeste e Centro-Oeste, e carga fracionada no Estado de São Paulo.
P - Poderia deixar-nos algumas reflexões ao modo de conclusão desta entrevista?
IWEX - Somos uma organização com uma larga trajetória no TRC do Brasil. Nas últimas 5 décadas observamos uma série de empresas que cresceram de maneira meteórica e desapareceram do mercado. Se fizermos uma análise criteriosa dos motivos que levaram muitas organizações a não seguir atuando no segmento, encontraremos casos de verdadeiros despropósitos gerenciais, falta de gestão nos custos de planejamento estratégico das organizações. Na IWEX, adotamos as melhores práticas de governança corporativa e meritocracia, que reflitam elevado nível de serviço, segurança e baixo custo das operações, que nos permitam manter a dinâmica do mercado.

Nenhum comentário: