11 de out de 2014

A Editora FTD lançou 39 títulos infantojuvenis










A Editora FTD lançou 39 títulos infantojuvenis durante a Bienal Internacional do Livro de São Paulo. Nesta edição do evento, apresentou ao todo mais de 100 livros de diversos autores.
Um dos destaques são as coleções que fazem uma releitura dos clássicos mundiais. A série “Meu amigo escritor”, que tem como objetivo aproximar os jovens estudantes dos grandes autores da Literatura Portuguesa e Brasileira, terá dois novos títulos na Bienal: Memórias quase póstumas de Machado de Assis e Morrer amanhã.
Já a coleção “Almanaque dos Clássicos da Literatura Universal” apresenta obras traduzidas e adaptadas para o público juvenil. Cada título traz um texto sobre a importância das obras, sua apresentação, depoimentos do tradutor e adaptador e um almanaque ilustrado com informações sobre o autor e a obra, curiosidades, contexto histórico e literário, escritores e personalidades da época e cronologia do autor. Três títulos serão lançados na Bienal. São eles O Conde de Monte Cristo, de Alexandre Dumas, Vinte mil léguas submarinas, de Julio Verne – ambos com tradução de Heloisa Prieto – e O morro dos ventos uivantes, de Emily Brontë, com tradução de Ligia Cademartori.
A Editora FTD apresenta também a coleção Biblioteca da Turma, de Maurício de Sousa, uma série com seis livros multidisciplinares, voltada ao apoio didático, que trata dos temas: civilizações antigas, animais pré- históricos, esportes olímpicos, Floresta Amazônica, crianças no mundo e arte nos museus brasileiros. O autor estará no estande da Abrelivros no dia 30 de agosto, às 10 horas, autografando as obras, juntamente com os personagens Mônica e Cebolinha. 



Lançamentos
Infantil
O anel da tartaruga
O anel da tartaruga
, de César Obeid, chama atenção para uma questão importante: o lixo presente no mar. Na história, a tartaruga Juliana se sente especial por causa do anel que tem na cintura, que ela acredita ser uma joia. Com a ajuda de um esperto salmão, ela descobre que o mar está repleto de lixo, o que compromete a vida dos animais marinhos, inclusive a dela - seu anel nada mais é do que um anel de garrafa PET, que a deformou. Mas, em vez de desanimar com essa descoberta, ela toma uma atitude para que seus amigos não sejam prejudicados como ela foi.
Carlota bolota
Em Carlota Bolota,
de Cristina Porto, a personagem narra sua vida desde o nascimento, marcada pelos episódios de bullying devido à obesidade. A
discriminação começa na própria casa, pelo apelido colocado pelo irmão. A história chega ao seu apogeu quando Carlota torna-se craque de um time de futebol.
Contos dos curumins guaranis
Em Contos dos curumins guaranis, os autores Jeguaká Mirim e Tupã Mirin apresentam oito histórias que revelam um pouco do nhande reko (modo de vida) desse povo. A obra mostra como os guaranis mantiveram tradições, como a língua e cerimônias religiosas, apesar do longo convívio com o homem branco. Uma façanha que a maioria dos povos indígenas não atingiu.
Histórias africanas
A consagrada autora Ana Maria Machado reconta em Histórias africanas quatro episódios que revelam um pouco da riqueza cultural dos povos africanos. Contar histórias, em todas as culturas, sempre foi um modo de expressar valores e incentivar virtudes. Nesta obra, as histórias de tradição oral revelam o modo de sentir e de viver de um povo.
Quadradomingo
Com a conhecida irreverência de seus textos, Flavio de Souza nos apresenta, em Quadradomingo, o Edifício Ibéria e seus moradores. Eles compartilham uma quadra, onde acontecem confusões, brigas, demonstrações de amizade e muito futebol. Mingo é um menino de nove anos que vive por lá e coleciona bolas e camisetas do seu time do coração. Por conta de toda essa paixão, ele está escrevendo um Dicionário terminológico futebolístico, explicando os termos esportivos à sua maneira.
Mamãe tá careca
O livro Mamãe tá careca, de Juliana Vermelho Martins mostra a superação do câncer em uma história sensível e cheia de esperança. Quando Mônica é diagnosticada com câncer de mama, a família fica toda abalada, principalmente seus filhos pequenos. Para se proteger do medo da doença e da morte, o filho Leonardo, de 9 anos, cria um mundo fantasioso, no qual os heróis de seus brinquedos às vezes vencem a luta contra o mal, às vezes não. Cheia de incertezas, a mãe encara a cirurgia e o tratamento com coragem e, de maneira sensível, ajuda os filhos pequenos a compreender a situação e a enfrentar o medo da morte.
O pavoroso gargalhão
Com a obra O pavoroso gargalhão, Stella Carr faz um alerta para a preservação do meio ambiente. A obra acompanha as transformações inusitadas de uma criatura horrenda, nascida da espuma e da farinha embolorada de uma padaria. O pavoroso gargalhão, como é chamada, canta no Teatro Municipal de São Paulo, participa do banquete de inauguração de um viaduto e vira vários contos de fadas de perna para o ar.
Brinquedos e brincadeiras
Brinquedos e brincadeiras
, de Roseana Murray, reúne poemas curtos sobre brinquedos e brincadeiras tradicionais como pular corda, bola de gude,
casa na árvore, amarelinha, bola de meia, entre outras. Os textos descrevem, de forma poética, as sensações e movimentos das crianças enquanto brincam.
O pequeno samurai
Em O pequeno samurai, Alexandre Rampazo conta a história de Yuji, um menino que deixa seu país rumo ao Brasil, enfrenta vários desafios e, com a ajuda do avô, descobre que é um pequeno samurai. O livro recebeu o Prêmio Nacional de Literatura Infantil João-de-Barro em 2009, com dupla menção honrosa.
Viva o Boi-bumbá
O autor Rogério Andrade Barbosa traz uma das mais importantes festas da região Norte em seu livro Viva o Boi-bumbá. Na história, um menino está retornando com sua família da festa do boi em Parintins. Maravilhado com o espetáculo de luzes, cores e sons que acabou de presenciar, o garoto recorda outras lendas comuns da região: Cobra grande, Iara, Curupira, Boto Tucuxi e pede para a mãe contar novamente a história do Boi-bumbá. Ela atende ao pedido do filho e conta essa famosa lenda.
Zero, pra que te quero?
Gianni Rodari
brinca, na obra Zero, pra que te quero?, com a autoestima do número, que se considera sem valor, sem atenção dos outros números. Até que o número Um pega carona com ele e, sentados lado a lado, podem ter outro significado. O texto em verso aponta o valor posicional do algarismo zero na matemática, ao mesmo tempo em que aborda metaforicamente a questão de que todos têm valor. O Zero foi uma das criações mais importantes da humanidade, juntamente com o fogo, a roda, o telefone e a televisão.
Juvenil
Uólace e João Victor
O livro Uólace e João Victor, de Rosa Amanda Strausz, narra a história da amizade entre João Victor, que mora com a mãe e vive as alegrias e dificuldades de um adolescente de classe média, e Uólace, que vive nas ruas com a mãe alcoólatra e enfrenta os desafios de um adolescente que tenta sobreviver. Apesar das enormes diferenças entre os dois garotos, a obra revela que, mesmo em mundos tão distantes, eles podem ter inquietudes, expectativas e sonhos semelhantes. Da trajetória desses personagens emergem dramas e esperanças que têm como cenário a cidade do Rio de Janeiro.
Perfeito de todo jeito
Domingos Pellegrini
, na obra Perfeito de todo jeito, retrata a história de Daniel, um garoto que está acima do peso e é chamado de Rei do Brigadeiro. Cansado de ser motivo de piada, decide emagrecer. Seu maior desafio é fugir da cantina da escola. O amor pela menina de covinhas no rosto é o incentivo que precisava para se alimentar melhor e, principalmente, rever seus ideais de perfeição.
A coragem de Leo
O preconceito e as questões psicológicas que envolvem as diferenças são o tema central da obra A coragem de Leo, de autoria de Sônia Barros. Leonardo, o protagonista, é filho adotivo. Seus pais o conheceram e o adotaram ao visitar um orfanato, quando o menino tinha 3 anos. Depois de um conflito vivido em sala de aula, ao ter de fazer um trabalho sobre ascendência familiar, ele sente vontade de visitar o orfanato. Nesse contexto, o livro discute relacionamento familiar, formação pessoal e convivência em sociedade.
Mais ou menos normal
Mais ou menos normal
, de Cíntia Moscovich, conta a história de Gaia, uma garota atenta ao diferente. Na cidade em que nasceu, Porto Alegre, há o rio Guaíba, que descobriram que não é rio, mas lago. E tem uma ponte com palmeiras plantadas. Estranho. Ela própria se acha um pouco estranha. Em sua casa, não se come cachorro-quente nem se toma refrigerante, só chá, suco, cenoura, aipo...o que não é muito comum. Começa a desconfiar, ainda, que é adotada. Outros episódios diferentes estão a sua volta. Descobre que seus amigos teriam nascido num avião, sobrevoando Nova York. Será que é comum ser diferente? Não completamente esquisito... mais ou menos normal.
Entre rios
Entre rios
é uma coletânea de contos de destacados ficcionistas contemporâneos brasileiros, que apresentam como personagem ou cenário rios das várias regiões do país, do Solimões ao São Francisco, do Tietê ao Guaíba. O projeto gráfico e os desenhos são de Roger Mello, escritor e ilustrador que em 2014 ganhou o Prêmio Hans Christian Andersen. As histórias abordam memórias pessoais, política, encontros e desencontros, espaços míticos, costumes, amor, impactos da intervenção do homem no meio ambiente e lenda urbana. Os contos foram escritos por Domingos Pellegrini, Índigo, Marcelino Freire, Márcio Souza, Maria José Silveira, Maria Valéria Rezende e Moacyr Scliar.
É de morte!
O livro É de morte!, de Flávia Savary, reúne onze contos que falam da morte, um tabu nos tempos atuais. O tema, porém, é apenas um pano de fundo para a autora convidar o leitor a fixar o olhar em seu entorno, nos desdobramentos e ecos que a morte produz nos personagens. Trata-se, na verdade, de um livro sobre a vida!
Sombras e assombros
Em Sombras e assombros, a autora Lia Neiva apresenta personagens e situações que não se enquadram no que se convencionou chamar de realidade. São seis contos em que eventos fantásticos emergem do cotidiano. Lia reproduz para o leitor um universo recheado de objetos singulares, destinos inusitados e seres estranhos.
A namorada de Camões
No livro A namorada de Camões, a autora Márcia Kupstas retrata a angústia de Bruna, uma estudante de 16 anos, afligida por uma discussão proposta em sala de aula pela professora de Literatura: “Se você, como supostamente fez Camões, tivesse de decidir, num naufrágio, entre salvar os manuscritos de Os Lusíadas ou sua namorada, o que faria?”. A intenção era promover uma discussão sobre a dicotomia entre carreira e amor, mas Bruna, que namora Gigi, um sujeito agitado e estourado, sentiu-se particularmente afetada pela proposta. A partir daí, uma torrente de acontecimentos se desencadeia. Angustiada, Bruna decide visitar a mãe biológica, que não vê há anos e que mora no litoral. Vai sem avisar ninguém e seu sumiço preocupa a todos. A experiência lhe permite enfrentar o conflito com mais segurança e conduzir melhor a discussão sobre o enigma de Camões e seu próprio futuro.
O fantasma da segundona
O fantasma da segundona,
de Menalton Braff, conta a história de Maurício, filho do famoso jogador de futebol Kamanga. Seu pai é contratado para salvar o Clube Esportivo Planalto, que estava na zona de rebaixamento, ameaçado de cair para a segunda divisão. Em sua experiência na nova cidade, Maurício experimenta as delícias e aflições de ser filho de um atleta de ponta. É paparicado pelos colegas na escola e na vizinhança. Mas no momento em que o time começa a perder, a situação muda. Maurício passa a ter vergonha de ir para a escola, seu rendimento cai; o clube atrasa o pagamento do pai, que começa a ter dificuldades financeiras e tem que vender o carrão. O campeonato chega ao fim, o Planalto é rebaixado para a segundona e quando tudo parece perdido, o empresário de Kamanga consegue um bom contrato para ele...no Kuwait!
O terror do 6oB e outras histórias
Henrique Fernandes é “o terror do 6o”, aquele aluno que não se cansa de fazer brincadeiras de mau gosto. Mas Yolanda Reyes, no livro O Terror do 6o B e suas histórias, integra outros personagens às histórias do menino. João Guilherme é o que sempre adia a hora de fazer a lição de casa; Juliana se rebela contra as humilhações que sofre; Maurício, de 15 anos, tem um amor grande demais.
Qualquer coisa
No livro Qualquer coisa, o escritor e cineasta Fernando Bonassi reúne contos em seu estilo conciso e carregado de significado. Revela, como em uma fotografia, nossos vícios e virtudes, amores e paixões, pudores e despudores.
Vendedor de sustos
João Anzanello Carrascoza
reúne na obra Vendedor de sustos cinco contos que abordam situações variadas: o menino que vive a alegria do primeiro amor; o pote de ouro que descobre como alcançar o seu desejo; a diferença entre possuir e fruir; e o vendedor de um produto inusitado – sustos.
O elefante cabeludo
Na obra O elefante cabeludo, de Marcelo R.L. Oliveira, T. Bandeira, o mais famoso tamanduá detetive do mundo, passa por vários países enfrentando mares revoltos, terremotos e os ataques de uma perigosa quadrilha de piratas para investigar um estranho caso de um “ovo de elefante” roubado na África e com coisas esquisitas escritas nele. É uma história de aventura em plena Oceania, cheia de ação, mistério e drama.
A cidade perdida
Em A cidade perdida, os autores Álvaro Cardoso Gomes e Milton M. Azevedo apresentam uma aventura cheia de suspense na Floresta Amazônica. Espiões nazistas, um membro do serviço secreto britânico e alguns brasileiros chegam à região para investigar a história de uma suposta cidade perdida. Eles acabam presos, em plena floresta, por indígenas e por um maluco, o Conselheiro. O lugar é um labirinto de cavernas, como uma cidade subterrânea e abriga um meteorito com poderes mágicos e rico em urânio. O Conselheiro quer montar uma usina de refinamento de urânio para “dominar o mundo”, e os visitantes acabam descobrindo que ele é líder de uma espécie de seita que realiza até sacrifícios humanos. Momentos de grande tensão e lutas tiram o fôlego do leitor do início ao fim.
Gabriel e o teatro de memória
A obra Gabriel e o teatro da memória, de Max Velati, mostra a presença da Filosofia na vida de um adolescente. No livro, a família de Gabriel está com vários problemas. O pai briga com o avô, que acaba tendo que sair de casa. O fato é uma tristeza para o jovem, pois vô Chico era seu grande interlocutor e professor de Filosofia. O pai sofre um infarto e quase morre, e o próprio Gabriel quebra o braço em uma queda. Como se não bastasse, ele não sabe como terminar o namoro com Clara para se aproximar de Joana. Um torneio de perguntas e respostas da escola pode ser a sua chance de virar o jogo.
Detetive Siqueira em: a associação de enigmas Sphinx
O livro Detetive Siqueira em: A associação de enigmas Sphinx, de Dionisio Jacob, traz mais uma aventura do detetive Siqueira. Desta vez, ele é chamado para uma homenagem na Associação de Enigmas Sphinx, da qual havia participado muito tempo atrás. Seus sócios pesquisam grandes enigmas, mas ele logo percebe algo muito estranho e seu faro não costuma enganá-lo.
A megera domada
Flávio de Souza
traduz e adapta a famosa comédia de William Shakespeare em A megera domada. Filho de um rico comerciante de Pisa, Lucêncio chega a Pádua para estudar na universidade, mas logo se apaixona por Bianca, filha caçula de um rico mercador que já tem dois pretendentes. Batista Minola, pai de Bianca, decide que ela só se casará depois da filha mais velha, Catarina, que, por ser considerada uma megera, não tem nenhum pretendente. Petrúquio chega a Pádua decidido a se casar com uma moça rica para aumentar sua fortuna. Depois de fingimentos, trapaças e trapalhadas, Catarina e Petrúquio se casam e a ex-megera faz um discurso em que defende que as mulheres devem amor, doçura, fidelidade e obediência a seus maridos, que são seus amos e senhores.
Uma releitura dos clássicos
Os clássicos são leitura obrigatória no processo educacional. Mas trazer essa abordagem à realidade dos jovens é um desafio. Pensando no acesso desse público aos mais importantes nomes da literatura mundial, a Editora FTD tem produzido séries com abordagens e linguagem que despertem o interesse de crianças e adolescentes.
Na Bienal, serão lançados dois títulos da série “Meu amigo escritor”, que tem como objetivo aproximar os jovens estudantes dos grandes autores da Literatura Portuguesa e Brasileira.
Álvaro Cardoso Gomes mostra em Memórias quase póstumas de Machado de Assis a intimidade do cotidiano deste autor, a partir dos fatos relevantes de sua vida, registrados por ele mesmo em um caderno por sentir que morreria logo: a infância pobre, a relação com a família, a lenta ascensão social, o amor por Carolina, além de sua trajetória de escritor. Gomes conta também sobre sua amizade com os escritores de seu tempo, como José de Alencar, Manuel Antônio de Almeida e Euclides da Cunha. Um dia, o autor adota como secretário o filho da lavadeira da família, Hermenegildo, de onde nasce uma grande amizade. Além de cuidar da limpeza e organização do escritório, o rapaz revela-se inteligente e bom leitor, e passa a discutir com Machado sobre seus romances, contos e crônicas. No fim, o jovem amigo é quem acaba por finalizar o relato do grande escritor.
Morrer amanhã, de Márcia Abreu, conta a história de dois meninos que nascem em uma casa em São Paulo, e
plena vigência no Brasil na época, também teria forte influência na obra de Álvares de Azevedo, um vigoroso defensor da liberdade para todos. O texto percorre a vida do poeta que, apesar de ter vivido apenas 20 anos, deixou uma obra perene. Ele é autor do famoso poema “Se eu morresse amanhã”. No romance, Azevedo consegue que seu pai conceda liberdade a Tonico, que, assim, pode acompanhar o poeta de perto até o fim da vida, transformando-se no grande responsável pela preservação de sua
obra.
Já a coleção “Almanaque dos Clássicos da Literatura Universal” apresenta clássicos traduzidos e adaptados para o público juvenil. Cada título traz texto sobre a importância das obras, sua apresentação, depoimento do tradutor e adaptador e um almanaque ilustrado com informações sobre o autor e a obra, curiosidades, contexto histórico e literário, escritores e personalidades da época e cronologia do autor. Três títulos serão apresentados na Bienal.
Em O Conde de Monte Cristo, de Alexandre Dumas, o marinheiro Edmond Dantès é traído às vésperas de seu noivado. Uma denúncia falsa de conspiração política e um procurador corrupto o conduzem, sem julgamento, à prisão. Lá, ele conhece o abade Faria, também prisioneiro, que o ajuda a
m um mesmo dia de 1831. O filho dos
donos da casa, que mais tarde seria o poeta Álvares de Azevedo, e o da escrava, Tonico, personagem fictício que auxilia a autora a discutir a
escravidão. O tema, em
desvendar a traição e lhe ensina ciências e línguas. Depois de 14 anos, Dantès consegue fugir. Adota o nome de conde de Monte Cristo e sua razão de viver passa a ser a vingança contra aqueles que o traíram.
O morro dos ventos uivantes, de Emily Brontë, é o cenário de uma das maiores histórias de amor e ódio de todos os tempos. Seus protagonistas são Heathcliff, menino levado pelo Sr. Earnshaw para o Morro dos Ventos Uivantes ainda criança, e Catherine, filha do proprietário. Na adolescência, eles começam a viver uma paixão tão turbulenta como sugere o nome da propriedade.
Já a conhecida obra de Julio Verne, Vinte mil léguas submarinas, fala sobre o aparecimento de uma criatura desconhecida nos mares, que provoca preocupação e curiosidade. Uma expedição parte em busca de respostas mas é atacada pela criatura e três homens são lançados ao mar. Aronnax, Conselho e Ned Land são resgatados pelo suposto monstro, que descobrem se tratar de um submarino, comandado pelo capitão Nemo. Ele os salva da morte, mas pede um preço alto: serão prisioneiros para sempre.
Paradidáticos
Capoeira: Patrimônio Cultural Brasileiro
Toda riqueza da capoeira é abordada no livro Capoeira: Patrimônio Cultural Brasileiro, onde os autores Eduardo D'Amorim e José Atil "Pinga Fogo" reúnem um rico material para complementar as aulas de História, Geografia e Educação Física. Criada pelos escravos brasileiros para lutar pela liberdade, recebeu influências africana, indígena e europeia. Atualmente, a capoeira é praticada em mais de 150 países e considerada esporte, arte marcial, herança cultural e filosofia de vida. Tem sido ainda uma poderosa ferramenta educacional, capaz de desenvolver as capacidades físicas, psicológicas e de relacionamento social. Moderno, o projeto gráfico apresenta seções dinâmicas, com notícias de jornais e revistas, obras de arte e fotos, que auxiliam a despertar o interesse do leitor jovem. As atividades provocam reflexões sobre a história e a sociedade brasileira.
Dinheiro público: O que é, de onde vem, para onde vai
No sexto ano do ensino fundamental, com cerca de onze anos de idade, as crianças já têm certa consciência do uso correto do dinheiro. Em casa, convivem com pais preocupados com as despesas domésticas e alguns, que têm sua mesada, começam a refletir na melhor forma de empregar o dinheiro. E as despesas públicas, como são pagas? De onde vem o dinheiro e como ele é distribuído? No livro paradidático Dinheiro público: O que é, de onde vem, para onde vai, o autor Edson Gabriel Garcia, conta a história dos moradores do bairro Nova Esperança, que veem a chuva cair torrencialmente e o córrego transbordar. Sem ter para onde ir, as pessoas procuraram abrigo na escola. A Prefeitura, além de não resolver o problema da enchente, construía um viaduto caríssimo. O emprego do dinheiro público começa a ser discutido quando os moradores se reúnem para exigir seu bom uso.
Empreendedorismo e sustentabilidade: Valores, escolhas e projeto de vida
O autor Edson Gabriel Garcia fala de empreendedorismo social em sua obra Empreendedorismo e sustentabilidade: Valores, escolhas e projeto de vida. O movimento considera gerar rendimentos ao mesmo tempo em que muda a vida de pessoas de comunidades pobres. A história acompanha a iniciativa de uma diretora de escola que incentiva mães de alunos a criarem um negócio próprio, voltado aos trabalhos artesanais. O livro torna-se ainda mais atual ao relacionar o tema com a sustentabilidade.
O mundo muda... se a gente se ajuda!
Em O mundo muda... se a gente se ajuda!, a autora Flávia Savary conta a história de Lucas, um menino de 10 anos que promove a união de uma cidade em defesa da natureza. Sonhador e imaginativo, vive na pequena cidade de Alvorada da Passarada. O prefeito local defende a necessidade de progresso e modernização e, para isso, pretende derrubar a mangueira centenária, para construir um palanque. Na tarefa de proteger o patrimônio municipal, Lucas vai descobrir que suas ideias têm mais força do que imaginava. Com a ajuda da professora Renata, do avô Antônio e do padre Geraldo, o menino redige uma redação na qual descreve um mundo devastado pela mão do homem. Com o texto, convence a população da cidade que manter o símbolo da cidade é importante para a preservação da memória.
Sabix - o valor da amizade
O autor Alfredo Boulos Jr. retrata em Sabix - o valor da amizade, a relação entre um papagaio e um menino como cenário para a discussão de valores como amizade e justiça. Sabix é um papagaio inteligente e o melhor amigo de Juninho. Mas ele não é um papagaio comum, que só repete o que o dono fala, ele conversa demorado, um bate papo gostoso. Um dia, por um mal- entendido, é trocado por uma barra de ouro e levado para Nova York, para se apresentar em um show grandioso. Com saudades do amigo, ele não faz o show e é maltratado por seu novo dono. Como será que ele vai sair dessa?
Vida, aqui vou eu!
Em Vida, aqui vou eu!, a autora Flávia Savary trata o serviço ao próximo como sentido da vida. Paulo é um adolescente que acredita ter tudo: dinheiro, beleza, uma turma animada. Então, por que sente esse vazio tão grande no peito? A convivência, inicialmente imposta, com a colega Clara acaba mostrando a ele que a vida tem muito mais a oferecer do que baladas. É no trabalho voluntário e na responsabilidade que ele descobre a alegria de estar a serviço do próximo e encontra assim um sentido para sua própria vida.
Mauricio de Sousa e a “Biblioteca da Turma”
A coleção “Biblioteca da Turma”, de Mauricio de Sousa, é uma série com seis livros multidisciplinares, voltada ao apoio didático, que trata de civilizações antigas, animais pré-históricos, esportes olímpicos, Floresta Amazônica, crianças no mundo e arte nos museus brasileiros.
“São temas instigantes para o público infantil e ficam ainda mais interessantes com a interação dos personagens da Turma da Mônica, que fazem parte do imaginário das crianças”, explica a gerente de Projetos Especiais e Literatura, Ceciliany Feitosa. “A cada página, a “turminha” interage com fotos e ilustrações, despertando a curiosidade e atenção dos pequenos e auxiliando o professor a desenvolver o conhecimento de forma divertida”.
A coleção reúne textos leves, imagens, mapas, infográficos e boxes informativos, tudo pensado para facilitar o entendimento e prender a atenção dos leitores. Cada volume conta com seções fixas como Almanaque, Glossário e atividades interdisciplinares e lúdicas, que apoiam o processo didático. Os docentes têm ainda como recurso os quadros de conteúdos, que identificam as áreas de conhecimento e apresentam o objetivo de cada livro, e o Projeto de Criação e Produção, que ampara todo o desenvolvimento do conhecimento.
Conheça a coleção:
O Livro da Arte nos Museus Brasileiros apresenta a história da arte a partir do acervo de pinturas de vários museus nacionais, as obras de grandes artistas, os aspectos curiosos da criação e ainda um vocabulário de história da arte.
O Livro da Floresta Amazônica é uma viagem ao interior daquele ecossistema, destacando a urgência da preservação da natureza, dos povos e suas culturas e costumes.
O Livro dos Esportes Olímpicos fala sobre as modalidades que integram os jogos, trazendo os aspectos históricos desde a origem até os preparativos para a Olimpíada de 2016, no Rio de Janeiro. Inclui ainda informações sobre as Paraolimpíadas e os atletas brasileiros de destaque.

O Livro das Antigas Civilizações faz uma viagem no tempo e reúne histórias e costumes de sete civilizações antigas, que tiveram grande contribuição para o desenvolvimento da humanidade: chinesa, egípcia, grega, romana, inca, maia e asteca.
O Livro dos Animais Pré-históricos descreve o aparecimento das primeiras plantas e animais na Terra, em especial os dinossauros. Apresenta seus nomes, época em que viveram, tamanhos, hábitos e aponta as espécies encontradas no Brasil.

Nenhum comentário: