15 de set de 2014

Nadador paralímpico de 17 anos é destaque no encerramento da segunda etapa nacional do Circuito Caixa Loterias, em São Paulo


Revelação, Felipe Caltran termina competição com três medalhas, bate dois recordes brasileiros e se torna esperança da classe S14. Terceiro evento da série ocorrerá em novembro, em Fortaleza (CE)


https://www.flickr.com/photos/cpboficial


Aos 17 anos, Felipe Caltran fez o que nenhum outro nadador conseguiu na segunda etapa nacional do Circuito Caixa Loterias, que encerrou-se neste fim de semana, em São Paulo. Na piscina do parque aquático do Complexo Desportivo Constâncio Vaz Guimarães, ele estabeleceu recordes brasileiros em duas provas diferentes (200m livre e 200m medley), além de ter sido medalhista de prata nos 100m costas da classe S14.
Performance que o colocou na mira do técnico da Seleção, Leonardo Tomasello. Em uma classe carente de atletas com destaque, Felipe surge como uma opção para o futuro. Até lá, contudo, o nadador deficiente intelectual precisa obter a sua classificação funcional internacional, o que lhe permitirá entrar nas principais competições da modalidade.
Apesar do precoce bom desempenho, o paulista não se apressa para alcançar seus objetivos. Ele prega a calma, mas admite que tem um olho no time nacional. "Claro que sonho com a Seleção Brasileira, mas sei que ainda preciso evoluir. Tudo tem o seu tempo correto. Com o esforço que eu tenho feito, sei que ainda vou ser chamado para a equipe", disse o atleta.
Nadador desde os 3 anos, Felipe tem como seus maiores espelhos os dois principais nomes da Seleção principal brasileira: Daniel Dias e Andre Brasil. Caso obtenha sucesso em sua caminhada futura, ele pode ter um efeito semelhante ao que os dois tiveram e levar o nível da classe S14 a outra patamar nas piscinas verde e amarelas.
"Ele é, com certeza, um potencial que temos de trabalhar. É novo, mas já está ganhando dos atletas que estão na Seleção de jovens do Brasil. Ter um S14 nadando bem, quebrando recordes, é muito importante para puxar os outros nadadores", analisou Leornardo Tomasello, responsável pela chefia técnica da Seleção.
Apenas na natação, na segunda etapa nacional do Circuito Caixa Loterias, foram batidos nove recordes brasileiros. As modalidades voltam aos trabalhos para novembro, especificamente entre os dias 13 e 16, quando ocorrerá a última etapa nacional do Circuito, em Fortaleza, Ceará.
Já no Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa (COTP), o dia foi especial para um velocista da classe T13 (baixa visão). Gustavo Araújo, 22 anos, fechou a participação no Circuito com 100% de aproveitamento - levou três ouros em três provas disputadas e ainda bateu um recorde brasileiro. Depois de vencer os 100m e os 200m (prova em que cravou a melhor marca do país) no sábado, Gustavo foi o mais rápido nos 400m, com o tempo de 49s73. Curiosamente, ele completou seu 22º aniversário justamente neste domingo.
Além de Gustavo, outros nomes conhecidos da modalidade também confirmaram seu favoritismo nas disputas de hoje. Verônica Hipólito (T38) e Yohansson Nasimento (T46) venceram os 400m de suas classes e encerraram o domingo com uma medalha de ouro cada. Nos 1500m, o medalhista no Mundial de Lyon-2013 Alex Douglas dominou a prova e fechou a distância em 3min59s47, 24 segundos à frente do segundo colocado.
Por fim, um dia após completar 29 anos, o halterofilista Rodrigo Marques, conhecido como Geleia, se deu um presente de aniversário. O atleta que não tem o movimento nos membros inferiores quebrou o recorde brasileiro da categoria até 97kg. O mineiro levantou 190kg. A competição foi perfeita para Geleia. Em uma evolução constante, o atleta da CDDU/MG começou com 175kg e depois quebrou o recorde brasileiro que era do colega de equipe Clayton Campos (180kg) ao levantar 182 kg. Geleia terminaria a prova com os 190kg.
Na outra prova do dia, em que as categorias até 107kg e acima de 107kg foram unificadas, Joseano Felipe (Cade/RN) foi o melhor, com a marca de 200kg. O segundo lugar ficou para José Ricardo Silva (Adefa/AM), com 185kg, e o terceiro lugar ficou com o paulista da Aesa Christian Porteiro (172kg).

Nenhum comentário: