30 de jun de 2014

Identidade (...) Um solo de Vinícius Piedade

    


Atuação, texto e direção de Vinícius Piedade
          Trilha Sonora Original de Manuel Pessôa de Lima



Um publicitário, que se encontra em uma semana decisiva de sua vida profissional, é acometido de uma amnésia repentina enquanto espera suas bagagens em frente a uma esteira no aeroporto. Primeiro, ele não sabe qual é a sua mala. Depois, não sabe onde está e, em seguida, não sabe quem é. Assim começa o quebra-cabeça de Identidade (...), solo do ator Vinícius Piedade, que retorna a São Paulo depois de turnê mundial. O espetáculo foi apresentado nas cinco regiões do Brasil, na Alemanha, em Portugal, na Suíça, em Cabo Verde (África) e nos Estados Unidos. A peça que conta com trilha sonora original de Manuel Pessôa de Lima, estreia no dia 5 de julho, no Teatro Livraria da Vila Shopping Higienópolis.


“Um publicitário sofre uma amnésia repentina justamente quando assina contrato com uma empresa de sabão em pó para uma campanha publicitária chamada “Identidade” (garantindo que o branco que tal marca proporciona nas roupas brancas é mais branco que o branco da roupa nova nunca lavada)”. Vinícius Piedade.

Em crise criativa desencadeada pela amnésia, um publicitário decide ir ao encontro dos amigos de adolescência para saber se o que ainda resta de sua memória, justamente essa fase de construção de identidade, é sua imaginação ou se de fato aconteceu, tentando com isso reconstruir sua identidade. A escrita cênica de ‘Identidade(...)’ busca inserir o espectador no contexto labiríntico da mente do personagem. A medida em que os fragmentos de lembranças começam a dar luz a sua identidade, o ator no palco vazio em conexão intensa com a iluminação e a trilha sonora, expressa o lembrado, montando o quebra cabeça de sua vida.

Dentro do repertório de espetáculos solo de Vinícius Piedade, além de Identidade (...), constam três peças: Carta de um Pirata,Cárcere e Indizível. A principal proposta dos espetáculos é aprofundar o mergulho na existência humana por meio de personagens em situações limites. Condensa em sua interpretação a mistura de diversos estilos teatrais, indo da improvisação livre aos movimentos inspirados na dança contemporânea; da comédia inconformada as partituras de mímica. O trabalho visa levar o público a navegar nas peças como co-autores da realização teatral. Os espetáculos estão constantemente em turnê, já tendo sido apresentados em todas as regiões do Brasil, na Europa e nos Estados Unidos.

Quem nunca teve um branco na memória? Identidade (...) é uma peça sobre a memória. Ou perda da memória. Sobre a identidade. Ou construção da identidade. Um publicitário que teve um branco de memória e um vazio (quem nunca teve?), começa a se perguntar se o que ele lembra de fato aconteceu. Ou se está fabricando um passado com a mesma habilidade com que cria uma propaganda de sabão em pó (ou de carro ou de cerveja ou de banco). É um pouco isso. É sobre nossa auto-imagem nos dias de hoje. Ou sobre a expressão de nossas imagens (vide nossas vidas/pensamentos/pictures expressadas nas redes sociais). É sobre nossa falta de tempo pra refletir sobre quem, quando, onde e o porquê. Tempos de correria. Talvez o teatro seja um bom lugar para algum tipo de desaceleração. Sentir. Vivenciar. Identidade nossa de cada dia. Identidade do dia-a-dia.

Concepção (e encenação)
A escrita cênica de Identidade(...) busca inserir o espectador no contexto labiríntico da mente do personagem. À medida que os fragmentos de lembranças começam a dar luz a sua identidade, o ator no palco vazio expressa o lembrado montando o quebra-cabeça de sua vida.
Sendo assim, a encenação no palco vazio passeia na poética do passado e na crueza do presente do personagem. A “presentificação” de suas lembranças longínquas e recentes dialogam a todo instante com suas questões mais urgentes.
A iluminação desenha no espaço em cores e formas o ambiente concreto e metafórico do personagem, de modo que ao mesmo tempo em que possibilita a diferenciação de lugares, expressa também a temporalidade da cena.
A música de Identidade(...) traz à tona a pulsação interna do próprio ator Vinícius Piedade dando vida ao publicitário Rogério Marques. É a partir do ritmo do texto, da construção rítmica do corpo na cena, que a música marca sua estrutura, se esquivando do registro de “trilha sonora”. Ou seja, ao invés de imprimir climas para cena, a música entra como um elemento subliminar de tensão do discurso durante toda a obra na forma de um contraponto rítmico com o ator.
Portanto, o fio condutor que liga cena e texto é, sobretudo, rítmico e não “harmônico/melódico” e deve interligar-se com a própria concepção de luz. O tempo e espaço do personagem, que tenta tatear a realidade ao seu redor durante o transcurso da peça é constantemente atravessado por interrupções de fluxo, por quebras de ritmo. As pulsações surgem como um elemento abstrato e, ao mesmo tempo, objetivo de contraponto à cena, em que o texto e a ação estão intimamente ligados com as pulsações rítmicas e compõem a cena para além do sentido da trama, numa narrativa calcada no pulso e na interrupção.

Sinopse
Um publicitário sofre uma amnésia repentina justamente quando assina contrato com uma empresa de sabão em pó para uma campanha publicitária chamada “identidade”. Nessa crise criativa desencadeada pela amnésia, ele decide ir ao encontro dos amigos de adolescência para saber se o que ainda resta de sua memória, justamente essa fase de construção de identidade, é sua imaginação ou se de fato aconteceu, tentando com isso reconstruir sua identidade.

Ficha Técnica

Texto, direção e interpretação:
Vinícius Piedade
Trilha sonora original:
Manuel Pessôa de Lima
Iluninação:
Aline Santini
Figurino
Mário Queiroz
Assistente de direção:
Simone Carleto
Fotografia:
Ariny Bianchi
Operador de Luz e Som:
Márcio Baptista
Produção local:
Rosely Zenker

Serviço:
De 05 a 27 de julho de 2014.
Sábados às 20h30 e domingos às 18h30
Recomendação etária: 14 anos
Duração: 60 minutos
Preços: R$ 40,00 (inteira); R$ 20,00 (estudantes, aposentados, clientes Porto Seguro e professores da rede pública de ensino).
Local: Teatro Livraria da Vila Shopping Higienópolis
Av. Higienópolis, 618 – São Paulo – SP



#Podcultura #SandraCamillo #Hospitais #Lentes_Oficial

Nenhum comentário: