18 de fev de 2014

Mulheres de Guararema são exemplo de empreendedorismo em turismo


Guararema, cidadezinha com cara de interior no quintal de casa. Essa é a imagem que o destino passa aos seus visitantes, vindos em sua maioria da capital paulista – que está a apenas 80 km de lá. A boa estrutura da cidade e dos empreendimentos de turismo da cidade encanta a todos. Cercada de pequenos detalhes que atraem o turismo, Guararema comprova que a visão feminina faz diferença nesse setor; isso porque, tanto em sua associação comercial, quanto nos grupos de hospedagem, gastronomia e atrativos culturais as mulheres são maioria.

E em um destino onde não faltam mulheres empreendedoras, detalhes, organização e sensibilidade também não podem ficar de fora. Segundo as representantes do trade turístico da cidade, a mulher está mais aberta ao potencial turístico da cidade e, com isso, tem investido mais em novos negócios e projetos.

Exemplo disso é a empresária Bianca Colepicolo, paulistana que chegou a Guararema em 2008 e desde então vem apostando na cidade. Começando com passeios a cavalo, a antiga fazenda da família foi transformada em local para eventos – principalmente casamentos; e por já ter trabalhado com eventos, se especializou na organização completa de festas, eventos sociais e corporativos – inclusive em outros espaços do destino.

Hoje, Bianca comanda dois cafés da cidade e já projeta novos negócios relacionados a turismo e gastronomia. Para a empresária, as mulheres fazem sucesso no ramo graças à sua sensibilidade às necessidades do cliente e a facilidade em ser sociável e comunicativa.

Mas as mulheres não são novidade no turismo de Guararema. Elza Magalhães é diretora – junto com seu marido Ricardo - de um dos hotéis mais antigos da cidade, o Vale do Sonho Hotel & Eventos. Elza acredita que sua visão feminina é uma das principais necessidades para gerir pessoas. Acostumada a se adaptar em qualquer lugar ou situação, a mineira se faz presente coordenando a equipe e atendendo o cliente “corpo a corpo”.

“Eu comecei na hotelaria acompanhando meu marido e hoje ele me deixa livre para gerenciar o Vale do Sonho, pois confia em meu trabalho frente à equipe do hotel”, completa Elza, que é lembrada com frequência em prêmios e homenagens às mulheres da região.

Outro exemplo de quem escolheu Guararema para viver e empreender é Cecília Meira. Dona da Pousada Sapucaia, a Tilinha – como é chamada até pelos hóspedes – deixou para trás a pedagogia para se dedicar à hotelaria. E no inicio, sem uma bagagem maior sobre o ramo, usando principalmente sua intuição, criou a Hípica Sapucaia junto com suas filhas.

O que era para ser um hobby familiar tornou-se a principal hípica da cidade, com frequentadores de outras cidades. E com isso, surgiu a pousada. De família mineira, Tilinha acredita que o jeito acolhedor de tratar o hóspede é o diferencial no atendimento feminino. Sem contar a decoração do lugar, cuidado detalhe por detalhe por ela.

Segundo a empresária, que também é vice-presidente da Associação Comercial, a mulher é mais arrojada e vem se mostrando cada vez mais engajada nos projetos da cidade. “As mulheres estão mais focadas no turismo”, afirma.

E graças ao hipismo, outra mulher empreendedora está participando do turismo na região. Solange Ferreira é a atual proprietária e administradora da Hípica que completa um ano em abril. Formada em psicopedagogia, viu sua carreira mudar pelo filho, que escolheu o hipismo como esporte e hoje já é premiado em todo o Estado. Isso foi a maior motivação para que fizesse uma fusão, donde nasceu a Hípica Sapucaia Ribeirão dos Anjos com 3 instrutoras – todas mulheres.

Além do desconhecido de uma profissão diferente, Solange enfrentou a dificuldade de lidar com uma equipe com uma maioria de homens. “Apesar dos obstáculos, o jogo de cintura da mulher, assim como o olhar às particularidades me fizeram conquistar meu espaço na hípica”, completa.

O machismo contra a mulher empreendedora existe em todas as áreas, mas Antonia Lima, administradora da ADPM Guararema viu a necessidade a exercer sua paciência e persistência para alcançar seu espaço em um ambiente militar, já que o hotel é também colônia de férias.

Após quase dez anos na cidade, hoje a importância de seu trabalho é reconhecido por todos. “Hoje posso dizer que sou conhecida como Antônia da ADPM”, brinca. Para ela, a mulher da cidade está focada no turismo e é grande parte da mão de obra do setor. “Trabalhamos com 70% dos funcionários são mulheres, casadas com filhos, que desenvolve atividades aqui e quando chegam em casa tem que cuidar da casa, dos filhos e marido. São ótimas no fazem e querem mais”.

Criar é coisa de mulher! – Guararema é reduto de turismo contemplativo, cultural e com isso, não poderia faltar um empório cultural. Fundada há pouco mais de 2 anos no distrito de Luiz Carlos, a Megandra representa todos os aspectos femininos retratados até agora pelas mulheres da cidade. Nascida da vontade dos biomédicos Maureen e Marco Aurélio Andrade de cuidar das pessoas em um âmbito mais integral, o lugar é repleto de inovação e criatividade.

O empório cultural reúne espaço holístico, biomovelaria, café, artesanato sustentável, empório de produtos orgânicos e segundo Maureen, é um ambiente acolhedor que se preocupa com a arte de cuidar, que é muito próprio das mulheres. 

Nenhum comentário: