12 de dez de 2012

Ortodontia lingual corrige os dentes sem afetar a estética




Ortodontia lingual corrige os dentes sem afetar a estética

Com instalação na face interna dos dentes, o aparelho não fica visível. Devido a sua localização, a força exercida é mais leve e os resultados mais rápidos.

Quando o assunto é tratamento ortodôntico, a primeira imagem que surge na mente é a do sorriso metálico. O arco de metal, os braquetes e as borrachinhas ajudam a corrigir o posicionamento dos dentes e da arcada dentária, com a desvantagem de alterar a estética facial ao falar e ao sorrir portando os aparelhos. “Os lábios ficam um pouco mais projetados para frente, os dentes escondidos atrás do aparelho e é preciso ter muito cuidado para não passar - às vezes -  por situações constrangedoras após as refeições”, afirma o ortodontista e ortopedista facial Gerson Köhler, membro da equipe interdisciplinar da Köhler Ortofacial.
Segundo Gerson, as evoluções na área da Ortodontia permitiram o desenvolvimento de um novo conceito de tratamento ortodôntico, mais estético do que o tradicional. É a chamada Ortodontia Lingual. “Neste tipo de tratamento são utilizados os mesmos elementos do convencional, mas de uma forma diferente. A colagem dos braquetes é feita pelo lado anterior dos dentes, onde a língua fica encostada. A adaptação é relativamente fácil para o paciente, a resposta é rápida, com fase  laboratorial também rápida e simples”, destaca o profissional, especialista em Ortopedia Funcional dos Maxilares.
Com um tratamento mais discreto, praticamente invisível, a estética facial não é prejudicada. Outra vantagem do aparelho lingual está relacionada às diferenças biomecânicas. “Ele exerce uma força mais leve e proporciona melhores resultados biológicos por causa do seu posicionamento mais próximo do centro de resistência do dente. Assim como o aparelho comum, o lingual exige colaboração do paciente, rigoroso conhecimento técnico do profissional e sofre influência da dificuldade de cada caso e das reações biológicas do paciente para ser prescrito”, esclarece o ortodontista Juarez Köhler, também da Köhler Ortofacial.



Atletas e pessoas que praticam esportes de contato e optam pelo aparelho lingual não correm o risco de sofrer lesões nas mucosas das bochechas e nem nos lábios em caso de choque. Juarez observa que a Ortodontia Lingual ainda permite que o profissional e o paciente acompanhem a evolução do tratamento sem a interferência visual do aparelho. “Fica mais fácil perceber as mudanças e o paciente se sentem motivado a continuar o tratamento. É importante lembrar que tudo depende de um diagnóstico e de um planejamento adequados”, aponta Juarez.
Mesmo estando em contato com a língua, os braquetes não costumam causar lesões. Seu formato, com contorno e ganchos arredondados, é desenhado especificamente para esta técnica. Após a colocação do aparelho lingual, a orientação dada ao paciente vem no sentido de ingerir alimentos líquidos e pastosos. “Alimentos fibrosos, duros ou mais difíceis de mastigar podem quebrar o aparelho no início. Em geral, os pacientes voltam a se alimentar normalmente após 10 dias e sem se preocupar com eventuais resíduos de comida que ficam presos aos braquetes, como acontece no aparelho fixo tradicional”, comenta Juarez.
A higiene oral merece uma atenção especial, principalmente devido à localização do aparelho. A limpeza deve ser feita de maneira habitual e o ideal é que a escova tenha cerdas maciais. A passagem do fio dental não é prejudicada. “A saliva e o movimento da língua contribuem para manter reduzir o acúmulo de alimentos e da placa bacteriana no local. Durante a consulta o profissional deve ensinar a limpeza correta do aparelho para garantir uma boa higienização”, explica Gerson, membro especialista da Associação Brasileira de Ortodontia e Ortopedia Facial (ABOR), filiada à World Federation of Orthodontists (WFO).
A Ortodontia Lingual é indicada apenas para adultos, pois as crianças podem ter mais dificuldade durante o período de adaptação. Outras contra-indicações são para pessoas com dentes pequenos, impossibilitando a colagem dos braquetes na face lingual, ou com sensibilidade alérgica a determinados metais que compõem os aparelhos. Os braquetes ficam mais próximos a gengiva e pode haver reações de hipersensibilidade gengival. “No começo é comum o paciente poder ter pequenas dificuldades para articular alguns fonemas, mas em aproximadamente 10 dias a adaptação é completa e a fala volta à sua normalidade”, ressalta Gerson.

Gerson I. Köhler, ortopedista facial e ortodontista, membro especialista da ABOR - Associação Brasileira de Ortodontia e Ortopedia Facial, filiada à World Federation of Orthodontists (WFO), USA

Doutor Gerson Köhler (CRO 3921 – PR)
Especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial
Site: http://www.kohlerortofacial.com.br
Blog: http://gersonkohler.wordpress.com
E-mail: kohler1@uol.com.br
Fone: 41 3224.4883/3013-0183
Endereço: Rua Comendador Araújo, 143, conj. 42, Centro, Curitiba/PR.

Nenhum comentário: