13 de out de 2012

“Estamos Aí: Uma Geração de Grandes Músicos”


Série de shows, vivências, exposição “Musicalidade e Imagem” de Regis Filho, lançamento do livro “Do Calypso ao Cha-cha-chá – Músicos em São Paulo na década de 60”, do jornalista e curador Fernando Lichti Barros compõem a programação.
Há 50 anos o Centro de São Paulo era a área mais musical da cidade. Na famosa esquina entre as avenidas Ipiranga e São João ficava o “Ponto dos Músicos”, local em que se reuniam diversos instrumentistas para trabalhar em bailes, emissoras de rádio e TV, teatros e estúdios de gravação para exemplificar quem são esses músicos, lá vai: Edgard Gianullo, Bil, Luiz Loy e Heraldo respectivamente, o guitarrista de Estúpido Cupido, o trombonista de Tropicália, o pianista de Tristeza e o fundador do Quarteto Novo, do qual fizeram parte também Hermeto Pascoal, Airto Moreira e Theo de Barros.
Entre os dias 18 de outubro e 16 de dezembro, o Sesc Bom Retiro presta sua homenagem a esses artistas, corresponsáveis pela modernização da música brasileira. “Estamos Aí”, com curadoria do jornalista Fernando Litchti Barros, apresenta uma série de atividades protagonizadas por representantes dessa geração: shows e vivências que abordam diferentes aspectos da profissão, a exposição Musicalidade e Imagem, de Regis Filho, e o lançamento do livro Do Calypso ao cha-cha-chá – Músicos em São Paulo na década de 60, de Fernando Barros.

Para abrir o projeto, Caçulinha e Edgard Gianulo voltam a tocar juntos, dia 18 de outubro, às 20 horas. Cinquenta anos depois de iniciarem uma parceria em estúdios de gravação, o acordeonista e pianista Caçulinha e o guitarrista Edgard Gianulo se encontram. O novo livro de Fernando Lichti Barros Do Calypso ao cha-cha-chá – Músicos em São Paulo na década de 60, será lançado na mesma noite, junto da abertura exposição Musicalidade e Imagem, de Regis Filho, que traz retratos atuais de 20 representantes da geração que, meio século atrás, deu novos ares à música brasileira.
ABERTURA - DIA 18/10Praça de Convivência – Grátis.
19h - Exposição “Musicalidade e Imagem”, de Regis Filho Lançamento do livro “Do calypso ao cha-cha-chá – Músicos em São Paulo na década de 60”, de Fernando Lichti Barros.
20h - Apresentação musical Caçulinha reencontra-se com Edgar Gianulo (guitarra), com quem gravou em 1964 o LP O Assunto é Edgar.
Programação:
ShowsSão João x Ipiranga: Ponto dos Músicos: 20 e 21/10
Local de encontro de instrumentistas nos anos 60, a famosa esquina paulistana testemunhou o nascimento de grandes parcerias musicais. Serão reeditadas por Hector Costita (sax), Laercio de Freitas (piano), Lito Robledo (baixo acústico), Alemão (guitarra) e Jorge Saavedra (bateria).
Teatro. Sábados às 19h e domingos às 18h. Vendas pela rede IngressoSesc
Aquelas noites na Roosevelt: 03 e 04/11
Gabriel Bahlis (contrabaixo), Luiz Mello (piano), Zinho (bateria), Jericó (trompete) e Bauru (sax). De novo juntos, como há meio século, quando atuavam na Baiúca, Farney’s, Cave e outras boates das imediações da Praça Roosevelt.
Teatro. Sábados às 19h e domingos às 18h. Vendas pela rede IngressoSesc
Homenagem a Casé: 17 e 18/11
Proveta (sax alto e clarinete), Carlos Alberto Alcântara (sax tenor), Azevedo (trombone), Adylson Godoy (piano), Newton de Siqueira Campos (contrabaixo) e Toniquinho (bateria) revivem o grupo de Casé, o lendário saxofonista que em 2012 completaria 80 anos.
Teatro. Sábados às 19h e domingos às 18h. Vendas pela rede IngressoSesc
SHOWS NA PRAÇA DE CONVIVÊNCIAQuintas às 18h. Grátis.
Lambari e Gogô: 25/10
O clarinetista se aposentou pela Sinfônica Municipal; o pianista, pela Unicamp. Eles tocam juntos de novo, quase 50 anos depois da gravação do LP “Quarteto Lambari”.
Aluízio Pontes e Humberto Clayber: 01/11
Ex-integrantes do Sambalanço, um dos mais importantes trios da bossa nova, eles fazem show com piano e gaita.
Mario Albanese: 08/11
Acompanhado pelo violonista Silvio Santisteban, o pianista revive o jequibau, ritmo criado por ele e Cyro Pereira na década de 60, em pleno império da bossa nova.
Luiz Loy e Nenê Benvenutti: 22 /11
Líder do quinteto que acompanhou Elis e Jair Rodrigues no “Fino na Bossa”, o pianista divide o palco com o baixista que tocou com Os Incríveis, Wilson Simonal e Elis Regina.
Nestico: 29 /11
Saxofonista de múltiplos estilos, ele começou com The Jet Blacks, liderou o naipe de sopros de Roberto Carlos e se revelou jazzista. Ao piano, Lilu.
VIVÊNCIASTeatro. Quartas às 19h. Grátis.

A arte de tocar em naipe: 24 /10
Nestes tempos de apologia aos solistas, Branco (trompete), Bil e Arlindo Bonadio (trombone) e Lambari (sax) falam sobre a importância de, como se diz no jargão dos músicos, “tocar junto”.
A arte de acompanhar: 31 /10
O papel e a importância dos acompanhantes, segundo Natan Marques (guitarra, ex- Elis Regina), Amilson Godoy (piano, ex-Samba Jazz Trio) Willy Verdager (contrabaixo, ex-Beat Boys) e Newton de Siqueira Campos (contrabaixo, ex-conjunto do Casé).
Formação e informação musical: 21/11
Jovito (autodidata, tocou com Johnny Alf), Edmundo Villani (das orquestras populares à composição erudita), Aluízio Pontes (autoditada, ex-Sambalanço Trio) e Toniquinho (dos bailes à Jazz Sinfônica) relatam as formas de aprendizado meio século atrás.
Encontro das águas: 28 /11
As muitas possibilidades abertas aos músicos na década de 60, segundo Foguinho(The Jordans), Plínio Metropolo (Modern Tropical Quintet), Luiz Loy (O Fino da Bossa) e Silvia Góes (boates, discos, jingles).
SERVIÇO
Estamos Aí
De 18/10 a 16/12
SESC BOM RETIRO
Endereço: Alameda Nothmann, 185
Horário de funcionamento da Unidade: Terças a sextas, das 9h às 20h30. Sábados, das 10h às 18h30, domingos e feriados, das 10h às 17h30.
Telefone para informações: (11) 3332-3600
Acesso para deficientes
Para informações sobre outras programações ligue 0800-118220 ou acesse o portal sescsp.org.br
 

Nenhum comentário: