5 de out de 2012

Espetáculo inédito O Casal Palavrakis, da dramaturga Angélica Liddell, reestreia no Teatro Viga


ESPETÁCULO O CASAL PALAVRAKIS, REESTREIA NO TEATRO VIGA


Texto inédito, da dramaturga espanhola Angélica Liddell, conta a história da turbulenta vida de Elsa e Mateo Palavrakis, desde a concepção de sua filha Chloé em um cemitério até o assassinato da mesma. Montagem do Teatro Kaus, tem direção de Reginaldo Nascimento

Texto inédito no Brasil, o espetáculo O CASAL PALAVRAKIS, da dramaturga espanhola Angélica Liddell, reestreia dia 5 de outubro, sexta-feira, às 21h, no TEATRO VIGA, Sala Piscina. Peça conta a história da turbulenta vida de Elsa e Mateo Palavrakis, desde a concepção de sua filha Chloé em um cemitério até o assassinato da mesma. Montagem do Teatro Kaus, tem direção de Reginaldo Nascimento e reúne no elenco os atores Amália Pereira, Igor Kovalewski e Lauanda Varone.

Elsa e Mateo levam uma vida monótona em um bairro, onde a única diversão consiste em insípidos concursos de baile, os quais perdem sistematicamente. Uma série de imagens apocalípticas conduz a ação guiada pela inquietante voz de uma Narradora, mediante uma estrutura de flash-backs. Unidos pelo rancor comum por seus pais, vítimas de maus tratos quando crianças, o casal revê sua história, começando pela própria infância, por sua inocência roubada, até a fatídica morte de sua filha.

“A peça fala da violência e abusos que criam feridas que não cicatrizam, apavorando homens e mulheres que, angustiados, tentam reproduzir nos filhos a vida que não tiveram. É a busca por algum sentido que possa redimir uma infância sem cor, sem luz, numa trama, na qual o ser se olha no espelho e diante de sua face o que vê é uma verdade nua e crua. Revelações são inevitáveis, medos, dor e violência são escancarados num complexo sistema nervoso”, afirma o diretor Reginaldo Nascimento.

Montagem apresenta uma linguagem hibrida, com uma série de quadros fragmentados que, alheios a qualquer lógica de tempo e espaço, vai costurando uma complexa trama. “O foco é no trabalho dos atores, que transitam com as contradições das personagens, apresentando um relato visceral de suas verdades, medos e mentiras. Com um desenho cênico que foge do naturalismo, experimentamos outras formas de contar a história”, finaliza o Reginaldo.

Reginaldo Nascimento assina o cenário e sonoplastia. A cenografia apresenta apenas duas cadeiras, que representam todos os ambientes da peça, ao fundo, um praticável, revela o quarto da menina que narra a história. Os figurinos, de Anelise Drake, remetem ao gótico nas cores, com traços de desconstrução. A música transita com o sublime, em alguns momentos sons desconexos aparecem para acentuar a dramaticidade. A Iluminação, de Vanderlei Conte, trabalha com siluetas, sombras e recortes.

O texto O CASAL PALAVRAKIS estreou em agosto de 2012, no SESC CONSOLAÇÃO, Sala Beta, e faz parte do Tríptico da Aflição, que reúne também as peças Once Open a Time in West Asphixia e Hysterica Passio. O Teatro Kaus pretende encenar as outras duas peças da trilogia, começando por Hysterica Passio, que já está sendo traduzida para o grupo pelo dramaturgo Aimar Labaki. A peça tem previsão de  estreia para o primeiro semestre de 2013.

Angélica Liddell: Pseudónimo de Angélica González (Figueres, Girona, Catalunha, Espanha, 1966) é produtora, encenadora, atriz, escritora, poetisa e dramaturga. É licenciada em Psicologia e Arte Dramática. Iniciou em 1988 a sua trajetória no teatro e esse ano, recebe o Premio Cidade de Alcorcón pela obra Greta quiere suicidarse. Em 1993, fundou, juntamente comGumersindo Puche, a companhia Atra Bilis Teatro (bílis negra), onde produz, dirige e interpreta seus próprios textos. A sua obra compreende narrativa, poesia, performance e ações, além de textos teatrais, dos quais muitos foram já encenados na Espanha, Colômbia, Bolívia, Portugal, Alemanha, Chile e República Checa. Suas peças abordam temas como a decadência da instituição familiar, o lado negro do ser humano, a morte e o sexo. Escreveu os textos: O Tríptico da Aflição, que reúne as peças O Casal Palavrakis, Once Open a Time in West Asphixia eHysterica Passio; La Falsa Suicida; Actos de Resistência Contra a Morte; Las Condenadas, El Jardín de Madrágoras El año de Ricardo, entre outras. Suas obras estão traduzidas para português, alemão e francês.

Reginaldo Nascimento: Ator e Diretor Teatral em constante atividade desde 1990. Fundou fundador o Teatro Kaus Cia Experimental em 1998. Participou de diversos cursos de formação e aprimoramento com diversos e importantes profissionais. Desde 1993 se dedica especificamente a Direção Teatral e a pesquisa do teatro de grupo, tendo assinado a direção de mais de 20 espetáculos entre eles: O Grande Cerimonial, de Fernando Arrabal, Infiéis, de Marco Antonio de la Parra, A Revolta, de Santiago Serrano, El Chingo, de Edílio Peña, Pigmaleoa, de Millôr Fernandes, Cala a Boca Já Morreu, de Luís Alberto de Abreu, A Boa, de Aimar Labaki, Vereda da Salvação, de Jorge Andrade, Homens de Papel e Oração para um pé de chinelo, ambas de Plínio Marcos, entre outros. Vêm realizando desde 1994, várias oficinas e cursos em prefeituras, secretarias de cultura e instituições privadas pelo interior do Estado, na capital e outros estados. Organizou e Editou o Livro CADERNOS DO KAUS - O Teatro na América Latina. Em agosto de 2009, idealizou e executou juntamente com o Grupo Kaus e em parceria com o Instituto Cervantes a Mesa de Debates Um Certo Arrabal, evento que trouxe a São Paulo  o Dramaturgo Fernando Arrabal, um dos mais importantes da cena Mundial.

Teatro Kaus Cia. Experimental: Radicado em São Paulo desde outubro de 2001, o Teatro Kaus Cia Experimental da Cooperativa Paulista de Teatro foi criado em dezembro de 1998, na cidade de São José dos Campos, pelo ator e diretor Reginaldo Nascimento e pela atriz e jornalista Amália Pereira. Na capital paulista, a Cia. encenou as peças O Grande Cerimonial, de Fernando Arrabal (2010/201), A Revolta, do argentino Santiago Serrano (2007), El Chingo, do venezuelano Edilio Peña (2007), Infiéis, do chileno Marco Antonio de la Parra (2006/2009),Vereda da Salvação, de Jorge Andrade (2005/2004) e Oração para um pé de chinelo, de Plínio Marcos (2002). Participou em Julho de 2007 como convidado do XVIII Temporales Internacionales de Teatroem Puerto Montt e da Lluvia de Teatro de Valdivia, ambas no Chile, apresentando o Espetáculo A Revolta, realizando três apresentações, com o texto original em espanhol. Em novembro de 2007, lançou o livro Cadernos do Kaus – O Teatro na América Latina, um registro documental sobre todas as ações do projeto Fronteiras – O Teatro na América Latina, realizado pelo grupo durante o ano de 2006 e 2007, em parceria com o Instituto Cervantes e beneficiado pela Lei de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo.  

Para Roteiro

O CASAL PALAVRAKIS – Reestreia dia 5 de outubro de 2012, sexta-feira, às 21h. TextoAngélica Liddell. Tradução: Hugo Villavicenzio. Direção: Reginaldo Nascimento. Com o Teatro Kaus Cia Experimental. Elenco: Amália Pereira, Igor Kovalewski e Lauanda Varone. Duração: 80 minutos. Recomendação: 16 anos. Ingressos: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (+60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino). Sextas e sábados, às 21h. Domingos, às 19h. Até 4 de novembro.

TEATRO VIGA - SALA PISCINA. Capote Valente, 1.323 – Sumaré, tel: 3801-1843. Capacidade 40 lugares. Bilheteria abre uma hora antes do espetáculo. Ar condicionado. Café. Aceita dinheiro e cheque.


Nenhum comentário: