24 de out de 2012

“A bala perdida e o violino”, novo livro de Regina Gulla, é lançado em São Paulo

“A bala perdida e o violino” (Planeta Infantil), escrito por Regina Gulla e ilustrado por Andrea Ebert, terá tarde de autógrafos na Livraria da Vila da Rua Fradique Coutinho, neste sábado (dia 27), às 15h.



A bala perdida e o violino
Autor: Regina Gulla 
Editora: Planeta Infantil 
Páginas: 40
Preço: R$ 24,90

Francisco é um garoto que desde pequeno gosta de fazer rir. Sua vocação para palhaço já era demonstrada no primeiro dia da aula de música, quando tropeçou, rasgou a calça e seu violino foi parar bem no lugar da gravata. Ao perceber que o pessoal da rua onde morava também se divertia com suas brincadeiras, Francisco resolve se autodenominar “Cisco Alegria”, e, de frente a um espelho, pintar o nariz de vermelho e vestir uma calça toda remendada.
A família do garoto virava sua melhor plateia durante o jantar, momento ideal para Cisco tocar as músicas ensaiadas na aula daquele dia: um pouco de Vivaldi, Villa-Lobos, Pixinguinha... só pérolas!
No dia de sua primeira apresentação musical no Circo Pimenta Malagueta, quando executaria a sua composição mais recente, Piruetas sobre uma lata de massa de tomate, Cisco Alegria e seu violino têm um encontro inesperado. Presa dentro de um revólver, do outro lado da calçada, uma bala (não era de doce, era de metal) está prestes a desobedecer o dono da arma que a ordena e buscar os rumos que seu coração determina.
É neste momento que acompanhamos o clímax da história escrita por Regina Gulla, A bala perdida e o violino (Planeta Infantil, 40 pp., R$ 24,90), ricamente ilustrada por Andrea Ebert. A sessão de autógrafos em São Paulo acontece neste sábado (dia 27), na Livraria da Vila da Fradique Coutinho, em São Paulo, a partir das 15h.
A Livraria da Vila fica localizada à Rua Fradique Coutinho, 915, Vila Madalena, São Paulo, SP. Informações: (11) 3814-9954 ouhttp://www.livrariadavila.com.br.

  Sobre a autora
Regina Gulla foi psicóloga infantil por alguns anos e é idealizadora da oficina de escrita criativa Gato de Máscara. Começou a publicar seus próprios livros não faz muito tempo (hoje conta com cinco títulos), e tem tido ótima recepção da crítica literária e, principalmente, dos professores. Desenvolveu uma técnica que é utilizada por muitos de seus alunos para ajudar a formar novos escritores. “Para mim, escrever é um jeito de empinar pipa, então eu escrevo empinando palavras”, afirma.
Sobre a ilustradora
Andrea Ebert é brasileira e atualmente vive em Portugal. Para as ilustrações deA bala perdida e o violino, que quando leu pela primeira vez sentiu como se estivesse ouvindo música, usou materiais como madeira, papel e metal, pois sentiu que o texto pedia um contraste entre esses elementos. Depois seguiu ilustrando como se continuasse ouvindo a mesma música. Saiba mais sobre a artista em seu site oficial: http://www.andreaebert.com.br/.

Nenhum comentário: