16 de ago de 2012

Cristovão Tezza e Milton Hatoum estão na agenda da FBN deste sábado e falam sobre internacionalização da literatura brasileira


A Fundação Biblioteca Nacional trouxe para a 22ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo uma programação diversificada. Entre balanços de políticas públicas e mesas de debates sobre o fomento à leitura, neste sábado, 11/8, o tema central será a internacionalização da literatura brasileira. Às 11h, Cristovão Tezza e a tradutora Maria Teresa Pineda, falam sobre o processo da tradução do livro O filho eterno. Ainda pela manhã, editores franceses debatem com o presidente da FBN/MinC, Galeno Amorim os mercados do livro e da leitura nos dois países. Mais tarde, às 20h, Milton Hatoum, Danilo Miranda e Galeno Amorim discutem a presença da literatura brasileira nas prateleiras internacionais.
Neste sábado, 11/8, às 11h, no Salão de Ideias da Bienal do Livro, será realizada a mesa O autor e seu tradutor. No debate, o escritor Cristóvão Tezza e sua tradutora para o espanhol, Maria Teresa Atrián Pineda, discutem as dificuldades e os desafios da tradução. A versão mexicana de O filho eterno, de Tezza, que Maria Teresa preparou para a editora Elephas com bolsa do programa de apoio da FBN, será publicada no fim deste ano. O debate será mediado por Claudiney Ferreira, do Itaú Cultural.
No mesmo horário o tema também é a área internacional, mas com foco na troca de informações entre Brasil e França. Galeno Amorim, presidente da Fundação Biblioteca Nacional, e Jean-Guy Boin, presidente do Bureau Internacional de Edição Francesa (Bief, em francês), debaterão as políticas públicas adotadas pelos dois países para a promoção da literatura no exterior. A França traz para a Bienal uma comitiva de seis editores, além de agentes literários, interessados em aprofundar seu conhecimento sobre o mercado brasileiro. Trata-se de um aquecimento para as atividades que vão movimentar a homenagem que o Brasil deve receber no Salão do Livro de Paris dentro de dois a três anos.
O escritor Milton Hatoum, o agente cultural Danilo Miranda e Galeno Amorim formam o Salão de Ideias das 20h. Os três fecham o ciclo de conversas sobre os livros brasileiros no exterior. Hatoum que tem diversos livros traduzidos, falará sobre a visão do escritor enquanto produto traduzido e a importância da presença da literatura brasileira no mercado internacional.
E como parte das celebrações da 22ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, a FBN/MinC apresenta, durante todos os dias, a exposição Traduzindo o Brasil, que destaca o papel e a importância do livro e da literatura brasileira no mundo. Na exposição, serão apresentados alguns de nossos maiores autores clássicos já traduzidos, apontando uma tendência cada vez maior que é a universalização da literatura brasileira no exterior.
Segundo o presidente Galeno Amorim, a exposição tem dois claros objetivos: apresentar ao público o resultado das diversas políticas públicas desenvolvidas pela FBN na promoção da literatura brasileira no exterior, assim como mostrar que a Biblioteca Nacional também se prepara para encarar o futuro. “O Brasil está na moda. Cada vez mais somos procurados por editoras dos mais diferentes países interessadas em participar do Programa de Apoio à Tradução. O resultado desta política é que em pouco tempo será possível ler obras de Carlos Drummond na Romênia, Clarice Lispector na Alemanha, Alberto Mussa na Armênia ou mesmo Machado de Assis na Finlândia”, avalia.

Nenhum comentário: