11 de jul de 2012

Cinco razões essenciais para fazer da consulta ginecológica uma rotina


Cinco razões essenciais para fazer da consulta ginecológica uma rotina

Apesar de um aumento crescente, nos últimos anos, da consciência das mulheres sobre a importância da consulta ginecológica, muitas ainda procuram um médico apenas quando os problemas aparecem. Para garantir a saúde e o bem-estar feminino, é imprescindível passar por um ginecologista anualmente. Já no caso de mulheres que fazem tratamentos hormonais, o período ideal é a cada seis meses e, para grávidas, o acompanhamento deve ser constante, principalmente a partir da segunda metade da gestação.
Segundo a Dra. Karina Zulli, ginecologista e obstetra do Hospital e Maternidade São Luiz, os motivos que mais levam mulheres à consulta é a prevenção de doenças como câncer de colo de útero ou de mama, irregularidades menstruais, alterações hormonais, planejamento da maternidade, dificuldades sexuais, suspeitas de doenças sexualmente transmissíveis e corrimentos vaginais. Entre as adolescentes, a procura se deve principalmente à iniciação da vida sexual e por conta de dúvidas quanto ao desenvolvimento do próprio corpo.
A doutora alerta para algumas questões às quais as mulheres precisam ficar tentas e buscar ajuda médica o quanto antes. É o caso do aparecimento de lesões vaginais ou anais, que podem significar doenças sexualmente transmissíveis e tratáveis como herpes e sífilis; sangramento vaginal intenso e forte dor abdominal, possíveis sintomas de cisto hemorrágico; e sangramento durante a menopausa, que pode ser indício de doença maligna ou benigna do útero.
Para evitar que a visita ao ginecologista seja emergencial, confira abaixo cinco razões essenciais para tornar a consulta ginecológica parte de sua rotina:
1.       Prevenir câncer de mama e de colo de útero
Uma vez que o câncer de mama é o que mais afeta as mulheres, é essencial que o ginecologista examine os seios da paciente e que realize a mamografia, se esta for necessária. Em segundo lugar entre as maiores causas de câncer na população feminina, está câncer de colo de útero, responsável por 15% dos tumores malignos. Para preveni-lo, o teste Papanicolau deve ser realizado anualmente, pois é um instrumento de extrema importância para o diagnóstico precoce. “Se a doença for detectada logo no início, as chances de cura podem chegar a até 95%”, enfatiza Zulli.

2.       Tratar irregularidades menstruais

Cólicas, aumento do fluxo menstrual ou ausência de menstruação são sinais que precisam ser discutidos com um ginecologista. Essas irregularidades devem ser avaliadas por um especialista, já que podem ser sintomas de uma série de doenças como síndrome dos ovários policísticos (ovários aumentados e com cistos), problemas de tireóide (glândula responsável pela produção de hormônios essenciais para o bom funcionamento do corpo feminino) e até desnutrição (decorrente de distúrbios alimentares como anemia e bulimia).
3.       Identificar e controlar desequilíbrios hormonais
Perturbações físicas e psicológicas podem facilmente ser consequência de alterações hormonais durante o período pré-menstrual, a gravidez ou a menopausa. A substituição hormonal, se orientada por um ginecologista, pode suprir a falta de hormônios como progesterona, aliviando os sintomas.
4.       Definir métodos contraceptivos

Cada mulher é diferente quando o assunto são métodos contraceptivos. O médico ginecologista é o responsável por ajustar as opções existentes conforme o organismo e as preferências de cada paciente.
5.       Tratar disfunções sexuais
“Estima-se que de 19 a 50% das mulheres possuem disfunções sexuais, a exemplo de dores vaginais durante a relação sexual, falta de desejo e dificuldade de atingir orgasmo”, explica a doutora. Os motivos para isso podem ser psicológicos (depressão, timidez, fobia social, transtorno de humor, culpa, ansiedade, estresse etc) ou físicos (baixa testosterona, diabetes, doenças cardiovasculares, uso de drogas, insuficiência renal crônica, deficiência de zinco etc). O ginecologista pode ajudar a paciente a descobrir causas e soluções para essas disfunções.

Nenhum comentário: