12 de jul de 2012

13/7 - Animal Planet apresenta


 11/7/2012
 
ANIMAL PLANET APRESENTA “SEREIAS”
  
 
 
Reconstituições do suposto percurso evolutivo e pesquisa liderada por biólogo marinho compõem análise mostrada no especial com duas horas de duração

 
 
 
 
Nesta sexta-feira, 13 de julho, às 22h, o Animal Planet investiga a existência das sereias. Em 2004, quando apareceram várias baleias mortas em uma praia de Washington, o biólogo marinho Dr. Brian McCormick quis saber o motivo. Ele suspeitava que testes com o sonar da Marinha estariam causando as mortes – mas, ao investigar a possibilidade, esbarrou em um novo mistério.
A produção mostra o trabalho de pesquisa de McCormick e sua equipe, além de testar, por meio de recursos computadorizados, a possibilidade de que um animal evoluísse a ponto de trazer em sua fisiologia características humanas e de espécies aquáticas, configurando a existência de seres muito parecidos às sereias que conhecemos das narrativas fantásticas.
Tudo começou quando os sons dos microfones submarinos foram analisados para investigação da morte das baleias: eles haviam captado os exercícios da Marinha na área, junto com o canto melancólico das baleias – mas algo mais foi registrado: um som não identificado, uma série de ruídos emitidos por uma criatura desconhecida.
McCormick achava que poderia ser uma nova espécie de baleia ou golfinho. No início, o progresso foi lento, até que mais um grupo de baleias apareceu morto na África do Sul, chamando a atenção da equipe. Lá, eles encontraram os restos parcialmente devorados de um animal que ninguém soube identificar. Com a ajuda da autópsia, McCormick chegou a uma conclusão espantosa: a nova criatura marinha tinha parentesco com os seres humanos.
A história teria origem em um passado remoto, há oito milhões de anos, quando os macacos começavam a viver fora das árvores. Por meio dos recursos de computação gráfica, encontraremos um grupo deles vivendo na costa, recolhendo mariscos e crustáceos nas poças d’água dos rochedos. Mais tarde, esses macacos teriam se aventurado a entrar em águas mais profundas, mergulhando em busca de alimento e nadando impulsionados por duas pernas. 
Alguns milhões de anos depois, suas pernas teriam se tornado uma estrutura de cauda única e as patas traseiras se diferenciaram. Eles não são mais macacos, mas o que chamaríamos de “proto-sereias”. Como os golfinhos, elas também desenvolveram a habilidade de localizar seres e coisas por meio da emissão de sons.
No século XVI, os homens já exploravam a navegação e as lendas sobre sereias são alastradas, incitando também a busca por esses animais. Por fim, SEREIAS condensa as duas narrativas em uma só, para chegar a uma conclusão sobre o que aconteceu naquela praia de Washington, no início de 2004. E a conclusão baseada nas provas apresentadas é surpreendente.

Nenhum comentário: