30 de abr de 2012

Debates sobre literatura e oficina de dramaturgia com Marcelo Rubens Paiva,


PROJETO CEMITÉRIO DE AUTOMÓVEIS 30 ANOS – ARTES DO SUBTERRÂNEO, BENEFICIADO PELO PROGRAMA MUNICIPAL DE FOMENTO AO TEATRO, PROMOVE DEBATES SOBRE LITERATURA





Participam dos debates os escritores Márcio AméricoFausto Fawcett,Daniel Galera  e Clarah Averbuck

Durante o mês de maio o projeto CEMITÉRIO DE AUTOMÓVEIS 30 ANOS – ARTES DO SUBTERRÂNEO realiza uma série de debates sobre literatura todas as sextas-feiras do mês, às 19h, com entrada franca, no Estação Caneca. A programação começa dia 4 de maio, com participação do escritor Márcio AméricoNo dia 11 de maio é a vez de Fausto Fawcett.

Os debates seguem com Daniel Galera no dia 18 de maio e Clarah Averbuck, no dia 25 de maio. Os temas dos debates serão sobre literatura, o trabalho dos convidados e qual a sua relação e influência sobre o trabalho do grupo. A mediação é de Mário Bortolotto.

O Projeto CEMITÉRIO DE AUTOMÓVEIS 30 ANOS – ARTES DO SUBTERRÂNEO foi beneficiado pelo Programa Municipal de Fomento ao Teatro da cidade de São Paulo e reúne teatro, literatura, música, poesia, cinema, vídeo e fotografia, e conta com apresentações de peças, shows, oficinas e encontros.

Programação dos Debates sobre literatura:
Dia 4/5, Márcio Américo
Dia 11/5, Fausto Fawcett
Dia 18/5, Daniel Galera
Dia 25/5, Clarah Averbuck

Para Roteiro:
Debates sobre literatura – Às sextas-feiras, às 19h. Gratuito. Pegar senha 1 hora antes na bilheteria do Teatro. Sujeito à lotação da sala – 50 lugares.

ESTAÇÃO CANECA – Rua Frei Caneca, 384 – Consolação. Capacidade 50 lugares. Bilheteria funciona de quarta a domingo, uma hora antes do início das atividades. Acesso para deficientes. Ar condicionado. Estacionamento conveniado a R$8,00 ao lado. Café.Informações sobre o projeto e atividades: telefone 3657-2606 e site www.cemiteriodeautomoveis.com.br

Currículos:

Márcio Américo: Escritor e ator londrinense radicado em São Paulo. Márcio começou sua carreira no teatro em 1982. Como dramaturgo tem quinze espetáculos entre já montados e inéditos, alguns destes textos foram publicados no livro O Teatro de Marcio Américo. Escreveu ainda Preciso Dar um Jeito na Vida (poesia), Meninos de Kichute (romance),Corações de Aluguel (romance policial). Como ator e diretor teatral, fundou em Londrina seu próprio grupo, o Alternativo, que atuou ininterruptamente no Paraná de 1988 até 2009, e, ao mesmo tempo, participou como ator convidado em outros grupos entre eles o Cemitério de Automóveis. Em televisão participou como ator do seriado 9mm São Paulo, exibido pelo canal FOX. Foi co-roteirista do filme Meninos de Kichute, adaptação do seu romance homônimo para o cinema. Atualmente desenvolve um trabalho específico para o gênero stand up comedy, onde procura imprimir sua experiência  como dramaturgo e ator, buscando sempre o conteúdo antes da piada.
Fausto Fawcett: Escritor e compositor formado em Jornalismo pela PUC do Rio de Janeiro. Escreveu três livros: Santa Clara Poltergeist (Ed. Eco, 1990), Básico Instinto (Ed. Relume Dumará, 1992), Copacabana Lua Cheia (Ed. Dantes, 2001). Em 2012, colocará dois novos títulos na praça: Favelost, pela Editora Martins Fontes e Pororoca Rave, pela Editora Escrita Fina. Gravou três discos: Fausto Fawcett e os robôs efêmeros (Warner, 1987) Império dos sentidos (Warner, 1989) e Básico Instinto (Sony, 1993). Escreveu quatro peças, três em parceria com Hamilton Vaz Pereira: Olhos ardentes (1985) Amizade de rua (1986) Ataliba a Gata Safira (1988) e outra com o diretor Henrique Tavares Cidade Vampira (2005). É autor de sucessos como Kátia Flávia a Godiva do Irajá, (Fawcett e Laufer, 1987, regravada por Fernanda Abreu em 1997). Fez parte das trilhas sonoras dos filmes Lua de Fel, de Roman Polasnki, O Superoutro, Tropa de Elite, Rio 40 graus (com Laufer e Fernanda Abreu, 1992),Garota Sangue Bom (1994) e Balada do Amor Inabalável (com Samuel Rosa, 1998). Em televisão, escreve o roteiro (junto com Henrique Tavares) e é o protagonista do programaVampiro Carioca, no Canal Brasil. Em maio vai ao  ar a terceira temporada do programa, que vai virar filme dirigido por Marcelo Santiago, que também dirige o programa.  Compôs com Laufer a música tema do seriado. Em 2010, formou a banda Tríceps, juntamente com Bianca Jhordão e Rodrigo Brandão, do grupo Leela. 

Daniel Galera: É escritor e tradutor. Nasceu em 1979, em São Paulo, e mora em Porto Alegre. Publicou na internet de 1996 a 2001, com destaque para os três anos como colunista da revista eletrônica Cardosonline (COL). Foi um dos editores do selo literário Livros do Mal, pelo qual lançou seus dois primeiros livros, a antologia de contos Dentes guardados (2001) e o romance Até o dia em que o cão morreu (2003). É também autor dos romances Mãos de Cavalo (2006) e Cordilheira (2008, vencedor do Prêmio Machado de Assis de Romance) e, em parceria com o desenhista Rafael Coutinho, da história em quadrinhos Cachalote (2010). Teve obras publicadas na França, Argentina, Itália, Portugal e Romênia. Traduz autores de língua inglesa e eventualmente publica resenhas, ensaios e reportagens.

Clara Averbuck: Escritora, é autora de quatro títulos: Máquina de Pinball, de 2002; Das coisas esquecidas atrás da estante, de 2003; Vida de gato, de 2004 e Nossa Senhora da Pequena Morte, de 2008. Conta ainda com novos livros no forno e roteiros adaptados de sua obra. Seus livros também inspiraram o diretor cinematográfico Murilo Salles que produziu o filme Nome Próprio, em 2006/2007, com a atriz Leandra Leal no papel principal. Precursora da blogosfera no Brasil, Clara Averbuck coleciona seguidores que a acompanham desde 2001 quando inaugurou o blog brazileira!preta e que hoje somam mais de 27 mil em seu Twitter. Além disso, ela ainda encontra tempo para planejar o lançamento de uma editora própria de ebooks, a Averbooks.

Cemitério de Automóveis: Fundado em 1982, por Mário Bortolotto e Lázaro Câmara na cidade de Londrina (PR), com o nome de Grupo de Teatro Chiclete com Banana, passou a se chamar Cemitério de Automóveis a partir de 1987.  O Grupo já montou mais de quarenta espetáculos cumprindo várias temporadas em Londrina, Rio de Janeiro, Curitiba e São Paulo, onde está trabalhando desde 1996. Participou dos mais importantes festivais de teatro do país, colecionando uma galeria respeitável de prêmios. Com o espetáculo Medusa de Rayban, o grupo ganhou o Prêmio Mambembe de Melhor Ator Coadjuvante de 1997 (Everton Bortotti) e foi indicado para o Prêmio Shell de Melhor Autor de 1997 (Mário Bortolotto). Por Diário das Crianças do Velho Quarteirão, Mário Bortolotto recebeu a indicação para o Prêmio Shell de Melhor Autor de 1998. Em 2000, realiza a 1.ª Mostra de Teatro Cemitério de Automóveis, com 14 produções no Centro Cultural São Paulo. A mostra rende a Mário Bortolotto o Prêmio APCA Pelo Conjunto da Obra e o Prêmio Shell de Melhor Autor por Nossa Vida não Vale um Chevrolet.


Nenhum comentário: